Queda de avião transportando militares na Argélia deixa mais de 250 mortos

A queda de um avião militar nesta quarta-feira (11) causou a morte de 257 pessoas na Argélia, informou o ministério da Defesa do país. Os passageiros eram militares e familiares em sua maioria. Não houve sobreviventes, segundo o ministério.

O acidente, que ocorreu perto da base aérea de Boufarik, entra para a lista dos mais graves já registrados na história. As causas ainda estão sendo investigadas.

A aeronave modelo Ilyushin IL-76, de fabricação russa, tinha acabado de decolar da base, a cerca de 30 km da capital Argel, com destino ao sul do país.

De acordo com o ministério, morreram todos os 10 tripulantes e 247 passageiros, na maioria membros do Exército Nacional Popular e seus familiares.

Um fotógrafo da AFP no local viu a fuselagem da aeronave carbonizada e enegrecida em uma área desabitada, um campo localizado a cem metros dos muros da base aérea. As chamas que destruíram quase todo o avião foram extintas.

O modelo IL-76 é produzido pelos russos desde a década de 1970 e é destinado prinipalmente para transporte de cargas e militares.

O site oficial da fabricante diz que o modelo foi desenhado para capacidade máxima de 225 passageiros e 7 tripulantes na configuração de dois andares.

Nos trabalhos de resgate participam mais de 300 pessoas, entre efetivos da Defesa Civil, médicos, policiais e membros do exército argelino, que sofreu uma tragédia similar em 2014.

Naquele mesmo ano, 77 pessoas morreram na queda de um Hércules C-130 na região montanhosa de Oum el Bouaghi, que fica 500 quilômetros a leste de Argel.

O voo faria uma escala em Tindouf, a 1.800 km da capital, antes de seguir para Bechar. Perto das fronteiras de Marrocos e Sahara Ocidental, Tindouf abriga campos de refugiados sarauís, bem como a sede do governo da República Árabe Saaraui Democrática (RASD), proclamada em 1976 pelos separatistas da Frente Polisario.

O Polisario, apoiado por Argel, reivindica a independência do Saara Ocidental, região que é disputada pelo Marrocos, que ocupa a maior parte desde 1975.

De acordo com a agência Efe, 30 cidadãos saarauís morreram no acidente. Segundo fontes, as vítimas seriam estudantes e civis que foram à capital para realizar trâmites médicos e burocráticos, e que costumam dispor de vagas de cortesia neste tipo de voos militares argelinos.

Béchar, a cerca 1.000 km de Argel, abriga uma importante base militar, perto da fronteira fechada entre a Argélia e o Marrocos.

*G1



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *