Estrada do Coco registrou mais de 600 acidentes somente nos quatro primeiros meses de 2018

Há muito tempo chamada de Estrada do Coco, a BA-099 pode ganhar um novo nome dentro em breve: do Perigo. Principal ligação entre Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador, e a capital, a rodovia ostenta acidentes e enche os motoristas de insegurança — realidade bem distante da tranquilidade que um coqueiro poderia representar.

Cinco ocorrências, em média, foram registradas por dia somente no trecho correspondente ao município gerido por Moema Gramacho (PT) nos quatro primeiros meses deste ano. De acordo com dados fornecidos pela Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Ordem Pública (Settop), foram 618 acidentes — colisão, capotamento, atropelamento — nesse período.

A nutricionista Bruna Lima, que diariamente trafega pela rodovia, relatou que situações violentas no trânsito são mais intensas nos fins de semana. “É gritante! Tanto sábado, quanto domingo, quando eu ia trabalhar, via sempre carro atravessado na pista, virado no canteiro”,  salientou.

Recorde de acidentes não é novidade 
Um levantamento feito pela Secretaria de Infraestrutura do Estado (Seinfra) em 2016 e divulgado no início do ano passado prova que o problema não é novo. De acordo com a pesquisa, a Estrada do Coco lidera o ranking de estradas perigosas na Bahia, com 12,7% dos acidentes. Na ocasião, o diretor de Operação e Tráfego da Superintendência de Infraestrutura de Transporte (SIT), Anselmo Calixto, atribuiu o percentual à imprudência. “Entre as infrações mais cometidas estão: excesso de velocidade e ultrapassagens em locais proibidos”, declarou.

Secretaria barra dados
O Jornal da Metrópole solicitou inúmeras vezes a Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Ordem Pública (Settop) os dados referentes aos acidentes registrados no ano passado somente na Estrada do Coco, mas o órgão se negou a fornecer as informações, alegando mudanças no sistema para integração entre as secretarias. “Infelizmente, nada, viu?”, disse o superintendente de trânsito Smith Neto. Foi oferecido apenas o total registrado dentro de Lauro de Freitas, que também assusta: foram mais de duas mil ocorrências com 272 pessoas feridas.

Pedestre precisa se arriscar na via 
Pedestres atravessando entre os carros se tornou uma cena comum quando o assunto é a Estrada do Coco. “Sempre tento parar para o pedestre, mas o motorista que tenta fazer essa gentileza corre o risco de algum carro bater no fundo e causar um acidente ainda maior”, argumentou a enfermeira Rose Reis. O trecho entre a Estação Aeroporto e o bairro de Buraquinho, por exemplo, conta com apenas cinco passarelas, número insuficiente para atender a população.

Mas enquanto o trecho administrado pela Prefeitura de Lauro de Freitas acumula reclamações, a Concessionária Litoral Norte (CLN) garante que, a partir do km 7,7 da BA-099, quando a via se torna pedagiada, o número de acidentes vem diminuindo. “Foram quatro acidentes entre janeiro e maio de 2018, contra sete ocorrências no mesmo período de 2017”, afirmou em nota.

*M1