Policial teve corpo mutilado por traficantes antes de ser morto

“O que fizeram com ele não se faz nem com um gado de abate”. A frase é de um amigo do policial militar Gustavo Gonzaga da Silva, 44 anos, assassinado na madrugada da última sexta-feira (8) por traficantes no bairro da Santa Cruz.

Gonzaga estava voltando para casa depois do trabalho e dava carona para um amigo de infância, identificado como ‘Jai’, quando foi abordado por três traficantes. Os autores do crime foram identificados como Choquito, Keka e Leno.

O PM foi torturado e teve o corpo mutilado antes de ser morto pelos criminosos. Gonzaga ainda recebeu vários tiros na cabeça. “Eu nunca vi isso. Tem gente que tá há mais de 30 anos na polícia e nunca viu alguém ser morto dessa forma”, diz um colega do policial.

‘Jai’, que estava com Gonzaga, teria fugido no momento do crime e ainda não apareceu para prestar depoimento. “Era uma grande amigo dele, a família toda conhece. Ele que tava junto. Ele tem que falar”, diz um familiar do policial.

“O cara sumiu. Abriu um buraco no chão e desapareceu”, reclama um amigo da vítima, que não aponta Jai como participante do crime, mas quer que ele preste depoimento. “Está tudo muito estranho”. Mesmo questionando o sumiço, amigos e policiais militares acreditam que Jai não participou do crime.

Na manhã de sábado (9), a polícia matou um suspeito de participar do assassinato do PM. Identificado como  ‘Budigo’, foi encontrado na Rua dos Posseiros com revólver, munições e drogas e atirou contra a polícia. Em seguida, teria ocorrido uma troca de tiros, ele acabou atingido e não resistiu.

Mortes
Muito abalada, Kelly, de 23 anos, a filha mais velha de Gonzaga, se limitou a dizer que o pai era “um bom policial”. A irmã de 15 anos está em choque.

*Correio