Hospital da Mulher atendeu 271 municípios

Natural de Santo Amaro, no recôncavo baiano, a pensionista Marlene Ferreira, de 65 anos, começou a queixar-se de algumas dores na perna e no ventre, há mais de um mês. Após passar por uma ressonância no Hospital do Subúrbio, ela foi então transferida para o Hospital da Mulher, para uma nova bateria de exames e uma cirurgia, de suspensão da bexiga.

“Desde quando cheguei aqui, tenho sido muito bem tratada, tendo recebido toda a atenção e cuidado”, explicou ela, enquanto descansava em um dos 97 leitos de internamento disponíveis na unidade. Inaugurado em janeiro, o hospital é o segundo maior do Brasil voltado para o público feminino, e tem como um dos diferenciais, o aspecto da humanização.

Por ser uma unidade voltada para um gênero especificamente, toda a capacitação do pessoal é feito no sentido de atender melhor as pacientes, buscando entender suas particularidades e necessidades. Desde o início da operação, o hospital já atendeu 271 municípios da Bahia, que foram solicitantes do serviço, e, dessa forma, alcançando mais da metade do Estado. A capital representa 27% dos atendimentos, enquanto que os demais são do interior.

Neste período, já foram realizadas 6 mil consultas, 11 mil exames laboratoriais, e está chegando a 400 cirurgias realizadas durante o período. “E as cirurgias estão aumentando, porque, como o atendimento passa pelo ambulatório, que não tem porta aberta, ela tá gerando o proporcional ao número de consultas. Então, mensalmente, a gente vai aumentando o número de consultas, e as cirurgias vão aumentando, consequentemente”, destacou o diretor da unidade, Marco Antônio Andrade.

Entre as especialidades com mais procura estão a mastologia (que conta com ambulatório de diagnóstico em alta resolução de câncer de mama, mamografia, ultrassonografia, e biopsia de mama) e a ginecologia (que dispõe de ambulatório de diagnóstico em alta resolução para câncer de colo de útero, reprodução humana e planejamento familiar).

A unidade também tem capacidade para realização de cirurgias gerais e cirurgias pláticas. O diretor ainda destacou as atividades do ambulatório de onco-ginecologia, que é responsável por fazer as biopsias e as cirurgias ginecológicas, após a confirmação do câncer ginecológico na paciente. Além do internamento, a unidade dispõe de 29 leitos day hospital e 10 de UTI.

O maior diferencial, no entanto, é o atendimento em regime de plantão 24 horas a vítimas de violência sexual. Desde janeiro, o hospital já atendeu a 14 pacientes desse gênero. Além do atendimento ambulatorial, elas ainda têm direito ao acompanhamento psicológico, ginecológico, serviço social e de infectologia, nos seis meses seguintes à sua entrada, podendo ser estendido por mais tempo, em caso de necessidade.

Unidade chega a realizar quase 500 cirurgias por mês

De acordo com o diretor do hospital, a pretensão, é atingir finalmente a meta do hospital nos próximos 60 dias. “Atendimento é gradual, a gente já tá chegando a 500 cirurgias por mês, mas é importante ressaltar que estamos atingindo 45% da capacidade como um todo, incluindo enfermarias, UTI, consultas ambulatório”, destacou.

Em quase dois meses de funcionamento, tem sido feito um trabalho árduo para abranger o maior número de municípios possíveis. “Acho que o trabalho principal é consolidar e disseminar o perfil do hospital em todos os municípios do estado. Isso já está sendo feito, mas pode melhorar, para que todas as prefeituras saibam exatamente o perfil do hospital, e possam encaminhar adequadamente as pacientes”, avaliou.

Segundo ele explica, têm acontecido de pacientes com maior e menor urgência, estarem na mesma fila de espera pelo atendimento. Corrigir isso é possível através de equipes cada vez mais capacitadas e treinadas que, fazendo um diagnóstico prévio, podem determinar quais são as pacientes que precisam do serviço do hospital mais rapidamente.

Com exceção do ambulatório 24h voltado às vítimas de violência sexual, o atendimento no hospital é feito através da lista única do Sistema Único de Saúde (SUS), ou da Central Estadual de Regulação.

SEMANA
Na semana em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, o hospital tem feito uma série de atividades com serviços de massoterapia, acupuntura, terapia do riso, corte de cabelo, maquiagem e entrega de brindes. “Essas ações acontecem tanto no tratamento individual às pacientes, quanto nestes eventos especiais, que buscam descontrair o ambiente”, destaca Marco Antônio Andrade.

No próximo domingo (12), das 8h às 15h, também haverá, no Largo de Roma, a Feira Março Mulher, que vai oferecer serviços de preventivo, mamografia, laqueadura, colocação de D.I.U., odontologia, oftalmologia com distribuição de óculos, além da emissão de documentos, arte, cultura e música com a cantora Gilmelândia.

O Hospital da Mulher oferecerá mais de 700 consultas nas áreas de cirurgia plástica, mastologia, cirurgia geral, ginecologia, angiologia além de procedimentos de raio x, mamografia e exames laboratoriais. A feira é uma realização das Voluntárias Sociais da Bahia em parceria com Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM), e o Hospital da Mulher.

*Tribuna da Bahia