Bahia tem 5 mil pontos de distribuição de remédios gratuitos; são 842 tipos

Com o marido diabético e hipertenso, a aposentada  Neuza Santos, 60 anos, todo mês vai a uma unidade credenciada do programa  Aqui Tem Farmácia Popular pegar, gratuitamente, os remédios que ele precisa para controlar as doenças. Se tivesse que pagar por eles, teria que desembolsar entre R$ 50 e R$ 100. Já dona Mariluce Meira, 53, vai sempre buscar o Atenolol e insulinas. “Quando não encontro o medicamento, costumo gastar mais de R$ 100 em uma farmácia normal”, disse. Na Bahia, existem 5.153 locais onde a população tem acesso a 842 tipos de remédios gratuitamente. Mas nem todo mundo sabe disso.

Os medicamentos são distribuído nas 3.875 unidades básicas de saúde (UBS), além das credenciadas no programa  – são 1.278 unidades no estado. Em Salvador, podem ser encontrados nas farmácias básicas dos 126 postos de saúde da prefeitura e nos 192 unidades credenciadas do Aqui Tem Farmácia Popular. Na Bahia, atualmente, só há uma unidade própria do Farmácia Popular, que funciona no bairro do Bonfim. Em farmácias credenciadas, medicamentos são vendidos até 90% mais baratos.

Segundo informações do Ministério da Saúde, só este  ano, mais de um milhão de atendimentos foram realizados na Bahia através do programa Aqui Tem Farmácia Popular. Ainda segundo o órgão,  os remédios mais buscados são os de combate a asma, diabetes e hipertensão. A retirada pode ser feita mediante a apresentação de documento de identificação com foto, cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) e receita médica emitida nos últimos 180 dias – as receitas de anticoncepcionais têm validade de um ano.

Variados
Os medicamentos são variados. Para asma, há o Brometo de Ipratrópio, Dipropriato de Beclometsona e Sulfato de Sabultamol. Contra diabetes, Cloridrato de Metformina, Gribenclamida, Insulina Humana. E, para combater a hipertensão, tem o Atenolol 25mg, Captopril 25mg, Cloridrato de Propanol 40mg, Hidroclorotiazida 25mg, Losartana Potássica 50 mg  e Maleato de Enalapril 10mg.

A dona de casa Célia Lopes, 51, consegue imaginar o quanto seria difícil, todos os meses, comprar os medicamentos que a ajudam a controlar a pressão arterial. As duas caixas de hidroclorotiazida, de 25 mg, custam cerca de R$ 18 reais. Já uma caixa de Losartana sai por R$ 2,95.

O valor que para alguns pode ser pequeno, para ela, que vive com menos de um salário mínimo, aperta o bolso no final do mês. “Tomo diariamente, não posso ficar sem. Às vezes, vou em algumas farmácias e não consigo encontrar”, lamenta. Ela saiu do bairro do Chame-Chame e foi até o Dois de Julho pegar os remédios na Farmácia MultiMais.

Os medicamentos integram a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename), cuja última atualização foi em 2014 . Segundo o Ministério da Saúde, uma nova versão dessa lista será divulgada ainda este ano. As unidades credenciadas do Aqui Tem Farmácia Popular oferecem 25 remédios, sendo 14 deles gratuitos e o restante com descontos que chegam a 90%. São os mesmos remédios que estão nas farmácias das unidades básicas de saúde.

O governo federal anunciou que as 11 unidades próprias do programa serão fechadas no Brasil, devido ao corte de recursos com a manutenção administrativa das unidades da rede. Mas garante que a compra de remédios, que serão repassados às farmácias das UBSs e rede privada credenciada, está garantida.

Veja lista dos locais aqui.

*Correio.