Lava Jato investiga propinas de R$ 200 milhões a políticos do MDB e PT

Foto: Reprodução

Três ex-executivos da Petrobras e três operadores financeiros, um deles ligado ao MDB, foram presos na terça-feira, 9, na 51ª fase da Operação Lava Jato, batizada de “Déjà Vu”. A investigação aponta para um suposto pagamento de propina equivalente a R$ 200 milhões entre 2010 e 2012 pela construtora Odebrecht a políticos do MDB e do PT para obter um contrato com a Petrobras de US$ 825 milhões.

Por ordem do juiz Sérgio Moro, da 13.ª Vara Federal de Curitiba, foram cumpridos mandados no Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo contra alvos investigados por corrupção, associação criminosa, fraudes em contratações públicas, crimes contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro, entre outros delitos.

Os ex-executivos Aluísio Teles Ferreira Filho, Ulisses Sobral e Rodrigo Pinaud, todos vinculados à Diretoria Internacional da Petrobras, além do operador Ângelo Lauria, foram alvos de prisão preventiva. Outro operador, Sérgio Boccaleti, foi alvo de prisão temporária – que tem prazo de cinco dias.

O único mandado de prisão não cumprido foi o de Mário Miranda, operador ligado ao MDB, segundo os investigadores. Os procuradores do Ministério Público Federal haviam alertado que era “concreto o risco de fuga” dele, já que ele tem residência em Portugal. Procurados, Odebrecht e a defesa de Ferreira Filho não se pronunciaram sobre o caso. Já o advogado Antônio Figueiredo Basto, que defende Miranda, afirmou que não comentaria a ordem de prisão.

Delatores

O suposto pagamento de propinas relacionado ao contrato de U$ 825 milhões entre a Odebrecht e a Petrobras, citada por delatores da construtora, é objeto de investigação pela Procuradoria-geral da República. O ex-presidente da Odebrecht Engenharia Industrial Márcio Faria, por exemplo, descreveu uma reunião de executivos da empreiteira com políticos do MDB, entre eles, o presidente Michel Temer e ainda o deputado cassado Eduardo Cunha (RJ).

Segundo o delator, no encontro, em 2010, teria sido acertada propina de R$ 40 milhões ao partido. O valor era referente a 5% do contrato da Odebrecht com a estatal. A reunião, segundo ele, era para que Temer “abençoasse” o compromisso.

Os recursos desviados, segundo os investigadores, seriam de US$ 24 milhões pagos aos três ex-executivos e de US$ 30 milhões destinados ao MDB e ao PT, além de valores ainda não rastreados. A suspeita é de que Cunha e o ex-ministro Henrique Eduardo Alves (MDB-RN) e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto tenham recebido os valores em contas no exterior e em espécie no Brasil

À época da divulgação das delações da Odebrecht, o presidente Michel Temer afirmou em nota que “jamais tratou de valores” com Faria. “A narrativa divulgada não corresponde aos fatos e está baseada em uma mentira absoluta”, disse o Planalto. O advogado de Mário Miranda, Antônio Figueiredo Basto, disse que não iria comentar.

Estadão Conteúdo




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *