Acusado de transfobia, Nego do Borel se desculpa: “Estou tentando mudar”

 

 

EXTRA – Envolvido numa nova polêmica, Nego do Borel usou as redes sociais para pedir desculpas à travesti Luisa Marilac – famosa na internet pelo vídeo “bons drinques”, que viralizou em 2011 -, após ser acusado pela mesma de transfobia (ataques à travestis, transexuais e transgêneros).

A “treta” começou no último sábado (12/1), quando Luisa deixou um elogio numa foto postada pelo funkeiro em que ele aparece sem camisa. Nego respondeu a mensagem chamando a famosa travesti de “homem”.

“Cada dia que passa você é mais gato, homem”, elogiou Marilac. “Você é um homem gato também. Parabéns, deve estar cheio de gatas”, respondeu Nego.

Chateada, Luisa, então, resolveu fazer um post em seu Instagram reproduzindo o comentário do cantor e dizendo ter ficado chateada. “Eu estou perplexa. Fiquei sem chão.. Sigo cara tanto tempo… Gosto do trabalho dele. Olha que ele fala pra mim. Vivendo e aprendendo é assim que a gente conhece as pessoas”, escreveu ela na legenda.

O caso ganhou repercussão, e vários internautas criticaram a atitude de Nego do Borel. Até as transexuais famosas, a modelo Lea T. e a ex-BBB Ariadna, fizeram posts de repúdio à atitude do cantor.

Em meio a polêmica, Nego gravou neste domingo (13/1) um vídeo se desculpando com Marilac. “Luisa, eu quero te pedir desculpas do fundo do meu coração pelo o meu comentário. Realmente eu errei, me perdoa. É um jeito meu que eu estou tentando mudar aos poucos, a gente vai mudando, lapidando aos poucos”, disse ele, num vídeo publicado em seu Instagram

“Quero te pedir desculpas pelo o acontecido e a toda a galera que ficou chateada comigo. Minha intenção jamais foi machucar, diminuir, pisar. Não sou essas pessoas que ficam esculachando os outros, diminuindo”, continuou.

No vídeo, Nego diz que costuma brincar com as pessoas da sua comunidade e que muitas das vezes não é compreendido:

“Venho de uma comunidade que lá a gente brinca com as pessoas, e muitas das vezes as pessoas não entendem a nossa brincadeira. A nossa brincadeira é um pouquinho grossa, e a gente acaba machucando as pessoas sem querer. Às vezes eu machuco as pessoas sem querer. E eu perco total a noção, chego brinco, zoo, e não tenho noção do que pode. Mas não é do meu coração, não sou homófóbico, transfóbico, não é isso”.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *