Um jovem de 23 anos foi morto a tiros durante uma carreata a favor do candidato Fernando Haddad (PT), na noite deste sábado (27), em Pacajus, na Grande Fortaleza. A informação foi confirmada pela Secretaria de Segurança Pública do Ceará e publicada pelo portal UOL.

Charlione Lessa Albuquerque, 23, estava em um automóvel com a mãe quando foi baleado por homens que desceram armados de outro veículo.

Segundo a secretaria, o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa da Polícia Civil do Estado já está em diligências para localizar e capturar um indivíduo responsável por efetuar disparos de arma de fogo.

Ainda segundo a pasta, Charlione não possuía antecedentes criminais, participava de uma carreata, quando foi atingido a tiros por um homem, que se aproximou em um veículo Gol de cor branca e fugiu logo após o crime. A vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu antes de chegar ao hospital.

Charlione é filho da secretária Nacional da Mulher Trabalhadora da CNTRV/CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Vestuário da CUT), Maria Regina Lessa. Segundo a confederação, a carreata seguia em “clima pacífico e descontraído” quando a vítima foi atingida por disparos de arma de fogo deflagrados por um eleitor de Jair Bolsonaro (PSL), que teria atentado contra a manifestação.

“Após os disparos, o assassino bradou orgulhoso o nome de Bolsonaro”, informou a confederação, por meio de nota.

A presidente da CNTRV, Francisca Trajano dos Santos, exigiu das autoridades policiais a rápida prisão dos acusados do crime e pediu que Bolsonaro se explique sobre o porquê dos seguidores dele agirem de forma “extremamente violenta, impulsionados por seu discurso de ódio e intolerância contra opositores”.

Nas redes sociais, Haddad falou sobre o crime e pediu “apuração rápida”.