Carregador de propina denuncia liberdade de Aécio

 

O ex-assessor parlamentar Mendherson Souza Lima, preso em 18 de maio, quer se livrar das tornozeleiras eletrônicas. Ele foi detido em flagrante quando transportava uma mala de dinheiro que, segundo as investigações, seriam de Aécio Neves.

Ao Supremo Tribunal ele reclamou que não seria justo ser submetido ao monitoramento enquanto o senador Aécio Neves (PSDB), investigado por se beneficiar da propina da JBS, continua solto. Mendherson menciona tratamento dentário como empecilho para o uso do aparelho de monitoração.

O pedido para não usar a tornozeleira foi feito ao ministro Marco Aurélio, que alegou que o ex-assessor deve recorrer à primeira instância por não ter foro privilegiado. O ministro relata na decisão: “(A defesa de Mendherson) menciona o caso de outro investigado, Aécio Neves da Cunha, dizendo encontrar-se este último em liberdade. Afirma ser injusta a manutenção da obrigatoriedade do uso da tornozeleira eletrônica, em comparação com a situação do citado investigado”.