Bahia tem primeiro resultado positivo em indústria de transformação em quatro anos

Foto: Divulgação / Ford

A indústria de transformação baiana apresentou um crescimento de 0,2% em fevereiro deste ano, no acumulado de 12 meses, de acordo com dados da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb). Essa é a primeira vez, desde maio de 2014, que o estado apresenta resultado positivo na produção da indústria de transformação no acumulado anual. Seis dos 11 segmentos apresentaram crescimento na produção: veículos automotores (33,1%), borracha e plástico (5,7%), alimentos (4,8%), bebidas (4,2%), couro e calçados (2,9%) e celulose e papel (0,9%). Outros cinco apresentaram queda. São eles: equipamentos de informática (-55,1%), metalurgia (-20,7%), refino de petróleo e biocombustíveis (-8%), minerais não metálicos (-4,8%) e produtos químicos (-0,5%). O número de 0,2% não é tão expressivo no acumulado de um ano, no entanto, ele aumenta na comparação de fevereiro deste ano com igual mês no ano anterior, em que a produção de transformação variou 3,6% positivamente, próximo à média nacional de 3,9%. Os segmentos que apresentaram crescimento foram veículos automotores (30,1%), celulose e papel (24,7%), bebidas (21,3%) e alimentos (11,2%). A Fieb avalia os ganhos da produção na indústria de transformação local como uma recuperação lenta. “A recuperação do setor progride em um ritmo menor [na Bahia, comparado ao nacional], uma vez que os impactos oriundos do segmento de Refino de Petróleo e Biocombustíveis ainda contribuem negativamente”.

*BN