Homem denunciado pela enteada por estupro e tortura na BA deve responder por cerca de 10 crimes, diz MP

 

Foto: Reprodução/Redes sociais

 

O homem que foi acusado pela enteada Eva Luana da Silva, de 21 anos, por estupro e tortura, no município de Camaçari, na região metropolitana de Salvador, deve responder por cerca de 10 crimes, de acordo com o Ministério Público da Bahia (MP-BA).

Até esta sexta-feira (22), Thiago Oliveira Alves, natural de São Paulo, não havia apresentado defesa à Justiça. Segundo o MP-BA, ele tem até o sábado (23), para apresentar um advogado. Caso não haja representação, um juiz que acompanha o caso deve decretar que a defesa dele seja feita por um defensor público.

A mãe de Eva e a irmã dela, uma criança de seis anos que é filha do suspeito, também constam como vítimas no processo. O MP-BA informou que não pode detalhar por quais crimes o réu vai responder, porque o processo corre em segredo de Justiça. No entanto, a promotoria disse que, com relação a Eva, ele foi indiciado por pelo menos seis crimes.

As informações foram passadas pelo MP-BA na tarde desta sexta-feira (22), em coletiva de imprensa com as promotoras de Justiça Anna Karina Senna e Márcia Teixeira, que é coordenadora do Centro de Defesa dos Direitos Humanos.

A promotora Anna Karina Senna detalhou ainda que parte dos crimes foi identificada pela delegada responsável pelo caso, e outra parte for anexada ao processo pelo próprio Ministério Público, a partir dos relatos e depoimentos de Eva. Segundo a Polícia Civil, ele já foi indiciado por estupro e tortura, mas nega as acusações.

A promotora Anna Karina falou sobre a importância da denúncia pública de Eva: “É louvável a atitude dela, porque dá voz a milhares de vítimas que têm receio de denunciar”, avaliou ela.

Eva já havia prestado queixa contra o padrasto quando tinha 13 anos e que foi obrigada a retirar por conta de ameaças do suspeito. Os laudos de exame de corpo de delito feitos na época também devem ser anexados ao processo.