Homem é preso suspeito de estuprar filha há cinco anos em Barreiras; vítima e irmãos eram mantidos em cárcere privado

Um homem de 28 anos foi preso nesta terça-feira (2) suspeito de abusar sexualmente da filha há cinco anos, na cidade de Barreiras, no oeste da Bahia.

De acordo com informações da Polícia Civil, a vítima, que tem 12 anos, era estuprada desde os 7. A menina morava com o pai e outros dois irmãos.

“Ela [a menina] estava tendo uma vida quase que de casal com o pai, dormindo no mesmo quarto, na mesma cama. Ela relatou todos os acontecidos. Levamos para a perícia técnica e constatou que ela vinha sendo abusada há algum tempo. Tinha lesões recentes e lesões antigas. Ela é uma criança de 12 anos, mas com corpo de 9”, disse o delegado Rivaldo Luz, coordenador regional da Polícia Civil.

O caso foi descoberto após denúncia de vizinhos da família. Conforme a polícia, as crianças eram mantidas em cárcere privado, em situação de miséria, e tinham hematomas nos corpos.

Crianças eram mantidas em situação de abandono  — Foto: Reprodução/TV Oeste

Crianças eram mantidas em situação de abandono — Foto: Reprodução/TV Oeste

“A casa estava em uma situação de bastante miséria. Só tinha lâmpada em um lugar da casa. As roupas sujas. Muito pouca comida. As crianças estavam sendo muito maltratadas. Eram três crianças: uma de 12, uma de 7 e uma de 4. O que demonstra o total menosprezo do pai pelos filhos”, contou o delegado.

O suspeito foi encaminhado para a delegacia da cidade. A prisão preventiva dele foi solicitação à Justiça.

A mãe das crianças não foi encontrada. Os meninos foram levados para o Conselho Tutelar.

“Segundo depoimento das próprias crianças, tem quase cinco anos que ela [mãe] abandonou o lar, em virtude das violências e do ciúme do pai. Ficou comprovado depois que ele [pai] tinha a mesma relação de ciúme com a filha, dizendo que quando ele saía para trabalhar ela colocava outros homens dentro de casa”, falou o delegado.

Crianças eram mantidas em situação de abandono  — Foto: Reprodução/TV Oeste

Crianças eram mantidas em situação de abandono — Foto: Reprodução/TV Oeste

*G1