Mensagens mostram desespero de menor após abusos de padrasto: ‘Vem logo, mãe. Estou dentro do banheiro’

Mensagens de celular mostram o desespero da adolescente de 13 anos que denunciou o companheiro da mãe por abuso sexual em Araçariguama (SP). O caso foi registrado em 25 de março e o suspeito, um serralheiro de 39 anos, está foragido desde então.

As mensagens trocadas entre a adolescente e a mãe mostram que ela se escondeu no banheiro da casa, no bairro Novo Tigrão, após ser abusada.

“Mãe, vem logo, mãe. Ele me ‘coisou’, mãe. Por favor, mãe. Eu estou dentro do banheiro.”
De acordo com informações do boletim de ocorrência, a mãe da menina tinha iniciado um relacionamento com o suspeito há aproximadamente dois meses. Eles passaram a morar juntos, na casa onde também vive a adolescente.

Na manhã de 25 de março a mãe, que é empregada doméstica, saiu para trabalhar. Como o companheiro não estava em casa, ela pede para a filha avisar assim que ele chegasse. “Com certeza ele vai embora. E se ele for não vou impedir. Ele é uma pessoa boa, mas não tem nem um pouco de juízo”, diz a mãe.

Em seguida, a jovem conta que o padrasto tinha chegado, mas estava aparentemente embriagado: “Está fedendo a pinga”.

Minutos depois, a jovem volta a mandar mensagens para a mãe, pedindo para ela terminar o relacionamento e contando sobre o abuso.

Conforme o boletim de ocorrência, a mãe da adolescente voltou para casa e achou a filha trancada no banheiro.

O suspeito correu para um matagal próximo e não foi localizado. Equipes da Polícia Civil e da Polícia Militar fizeram buscas na região, mas ele continua foragido.

Menina estava conversando com a mãe quando parou de responder e, minutos depois, pediu para ser resgatada — Foto: Arquivo pessoal

Menina estava conversando com a mãe quando parou de responder e, minutos depois, pediu para ser resgatada — Foto: Arquivo pessoal

A vítima foi levada à delegacia e prestou depoimento. Conforme a polícia, a estudante passou por exames no Instituto Médico Legal (IML) para identificar as agressões. O caso é investigado pela Polícia Civil.

Nesta terça-feira (2) mãe e filha saíram de casa e foram morar com parentes, por receio que o suspeito apareça novamente.

*G1