Fechamento de escolas estaduais afeta a vida de 30 mil estudantes

 

Pelo menos 30 mil estudantes serão impactados. Na capital, 19 unidades correm o risco de serem fechadas, atingindo cerca de 11 mil estudantes. A Secretaria da Educação do Estado (SEC) nega o número e diz que ainda não há a quantidade de escolas que passarão por mudanças. “O número divulgado pela APLB não corresponde à realidade”, disse a SEC, em nota.

Enquanto isso, pais e responsáveis pelos alunos estão preocupados com as consequências do plano. Além da violência, os custos com transporte e as questões sociais integram o rol de transtornos que preocupam pais de estudantes em Salvador.

Custos
Como boa parte das escolas atende a moradores das próprias comunidades, o fechamento deve elevar custos com deslocamento. No caso de alunos mais novos, aqueles do sexto ano, por exemplo, a despesa é dobrada, pois pais ou responsáveis têm que buscar e levar os estudantes.

Nessas localidades, as escolas funcionam também como espaço de lazer e cidadania, com atividades que envolvem a comunidade do entorno, inclusive nos finais de semana. Outra consequência é uma possível superlotação de salas, uma vez que os alunos de unidades fechadas devem ser transferidos para outras escolas.

Medo
Priscila Vencimento tem três filhos. Em Campinas de Brotas, dois já estudam no Henrique Brito – que tem 182 alunos matriculados. Ex-aluna da escola, ela ressalta que a unidade tem boas condições de infraestrutura e boa relação com o bairro.

“Quando meus filhos vão para a escola, fico tranquila. Não sei como vai ser se tiverem que mudar. A unidade mais próxima fica a três quilômetros, e as demais, em áreas em que há guerra de facções”, salientou.

A dona de casa Tatiane Santana, 37 anos, também tem um filho matriculado no Henrique Brito. “Se ele for para o Colégio Góes Calmon (na Avenida Dom João VI), o mais próximo, terá que pegar ônibus. A gente não tem dinheiro. São R$ 3,70 para ele. E eu, se quiser levar e buscar, gasto R$ 14,80”, reclama.

O professor Glauber Santana, que ensina educação física há 19 anos no Henrique Brito, afirma que os docente estão mobilizados para manter a escola funcionando. Segundo ele, a violência e o custo com o transporte são as principais queixas dos pais que procuram a escola diante do possível fechamento.

“Ter a escola próxima das comunidades é fundamental. Para além da educação, é uma questão social, de qualidade de vida”, diz Glauber Santana. Na próxima segunda-feira, alunos, pais de estudantes e professores da unidade vão fazer uma manifestação na Avenida Bonocô contra o plano de reestruturação.

Amaralina
Na Escola Estadual Cupertino Lacerda, em Amaralina, a preocupação com a guerra de facções também é uma realidade. Por lá, o temor é que os alunos que moram no Nordeste de Amaralina e Vale das Pedrinhas sejam matriculados em escolas localizadas em comunidades dominadas por grupos rivais, como Santa Cruz.

Professores da unidade, que tem 520 estudantes matriculados, contaram que foram comunicados no início de novembro sobre a possibilidade de fechamento e começaram a se mobilizar. Um dos protestos ocorreu na última terça-feira. Assim como no Henrique Brito, o turno da noite do Cupertino já havia sido cancelado no ano passado. Nesse turno, eram atendidos alunos do programa Educação de Jovens e Adultos (EJA).

“Nossos filhos não podem ficar vulneráveis a essa guerra de facções. Estamos falando de vidas, que estão no meio dessa disputa”, destaca a técnica de enfermagem Vanessa Rocha, 38 anos, que tem uma filha matriculada na unidade, fundada há mais de 50 anos.

Ela diz que a escola, que era utilizada pela comunidade nos finais de semana para atividade de lazer, sofre com a degradação há anos. “Não fazem reformas, não investem na infraestrutura. Agora, simplesmente, querem fechar”, queixa-se.

A ambulante Magda Conceição, 26 anos, vê a distância como problema maior. “Aqui (em Amaralina), posso levar e buscar meu filho na escola. A gente também podia ficar de olho neles, porque a escola é perto. Se fecharem, teremos que pagar ônibus. Por isso que tem evasão. Até onde eu sei, a escola tem que estar próxima do aluno”, critica.

Reação
O professor de ciências naturais José Carlos Silva, 63 anos, 27 deles lecionando na escola, lamenta a medida. “Foi de cima para baixo, não fomos ouvidos, nem consultaram pais e alunos. No começo, falaram que já estava definido. Agora, como caímos para dentro, eles recuaram e querem discutir”, disse.

Lhirill Santana, 15 anos, estuda no oitavo ano do Cupertino de Lacerda e diz que a escola oferta uma série de atividades. “Não é só aula. Temos atividades esportivas, jogos e oficinas de arte”, conta o aluno.

Gleidson Seara, 16 anos, também aluno do oitavo ano da unidade, concorda e vai além: “Vim para cá este ano e tenho prazer de estudar. Os professores, mais do que mestres, são amigos”.

Já Maria Rios, 16 anos, do nono ano do Henrique Brito, lembra que a escola funciona em turno integral, o que permite a convivência maior com colegas e professores. “Como todos somos da mesma comunidade, criamos muito vínculo. Aqui, para nós, é uma segunda casa”, afirma.

 

 

*Correio




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *