Governo quer aulas de inteligência emocional em universidades privadas

O governo Jair Bolsonaro (PSL) negocia uma parceria com universidades particulares para oferta de uma disciplina de “inteligência emocional” com o objetivo de tentar prevenir casos de suicídio e automutilação. A proposta é criticada por especialistas ouvidos pela Folha.

A discussão é feita entre o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos e a Anup (Associação de Universidades Particulares), entidade que abrange 189 instituições privadas —setor que concentra 75% dos estudantes de graduação.

Desde o início da gestão, a prevenção ao suicídio e automutilação foi alçado a prioridade pelo Ministério da Mulher. Em palestras, a ministra Damares Alves, que é pastora, disse que pensou em suicídio após ser vítima de um abuso sexual, mas desistiu ao ver, segundo ela, a imagem de Jesus.

O MEC (Ministério da Educação) é apenas parte do grupo que discute o tema.

A previsão é que a disciplina, com carga horária de 80 h, seja obrigatória para alguns cursos. A definição de quais, porém, caberia aos reitores.

O início da oferta seria a partir do segundo semestre deste ano. “Queremos em agosto já botar essa meninada para ver o que está acontecendo dentro da cabeça deles e como sobreviver nesse mundo tão complexo”, diz a presidente da Anup, Elizabeth Guedes.

O objetivo, diz, é ter estratégias para estimular alunos a lidarem com conflitos e frustrações e, com a isso, evitar casos de suicídio e automutilação.

Na última semana, o governo lançou uma campanha de prevenção ao suicídio. A pasta também pretende aumentar canais de atendimento a famílias e investir em coleta e monitoramento de dados.

Questionada, Elizabeth diz ainda não há definição de todos os assuntos que serão tratados na disciplina, mas que a ideia é que o estudante encontre conceitos “que ele conhece na vida mas que não estão nos currículos, como ansiedade, medo, felicidade”.

“Pensamos que fazer uma disciplina de inteligência emocional poderia ajudar os jovens a enfrentar a insegurança, a ser resiliente, a desenvolver pensamentos positivos, a ter empatia pelo próximo e aprender a conviver com a diferença”, afirma.

Segundo ela, a sugestão para que a disciplina seja implementada veio de Damares. Uma das principais interlocutoras do setor privado nos últimos anos, Elizabeth é irmã do atual ministro da Economia, Paulo Guedes.

A ideia é levar a medida também para universidades públicas, diz o diretor de Desafios Sociais no Âmbito Familiar da pasta, Marcel Edvar Simões.

A Base Nacional Comum Curricular, que define o que os alunos devem aprender na educação básica, contempla habilidades socioemocionais ao longo da escolaridade, mas sem previsão de uma disciplina isolada.

Estudiosa do tema, a diretora do instituto Inspirare, Anna Penido, considera a ideia equivocada, ainda mais por tratar de uma situação extrema como o suicídio. “A educação socioemocional precisa acontecer principalmente na etapa do mais profundo desenvolvimento humano, que é a infância, adolescência e juventude”, diz ela. “É um processo contínuo, que não ocorre com uma disciplina de 80 horas.”

Para a professora Regina Pedroza, do Instituto de Psicologia da UnB, criar uma disciplina como estratégia para combater o suicídio é tratar o tema de forma reducionista.

“É de uma simplificação da questão do suicídio que não pode ser sério. O suicídio não é um fenômeno agora da modernidade, é um fenômeno histórico e complexo, e que envolve tantas questões que não pode ser resolvido em uma disciplina. Essas questões têm que aparecer no diálogo do dia a dia”, diz.

“O que é ser inteligente emocionalmente? Sinceramente, não sei. Pode-se até levantar uma hipótese de que é aquele que controla suas emoções. Mas como assim controlar emoções? Emoção é algo que não pode ser tão controlado, senão retira a capacidade de sensibilização.”

O Brasil registrou 11.433 mortes por suicídio em 2016, segundo os dados mais recentes do Ministério da Saúde. Não há informações sobre casos entre universitários.

No ano passado, a USP criou um escritório de saúde mental após registro de casos. Uma pesquisa, de 2009, com 140 estudantes da pós-graduação da UFRJ concluiu que 58,6% dos pesquisadores apresentavam níveis médio e alto de estresse.

*Folha