Donald Trump exige que militares da Venezuela apoiem Juan Guaidó ou ‘vão perder tudo’

 

 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pressionou os militares venezuelanos a retirarem o apoio a Nicolás Maduro e a aceitarem Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela. Caso contrário, os integrantes da Forças Armadas podem “perder tudo o que têm”, disse o norte-americano nesta segunda-feira (18).

Em discurso diante de imigrantes venezuelanos e cubanos em Miami, na Flórida, o presidente norte-americano disse que os militares que bloqueiam a ajuda humanitária enviada à Venezuela “arriscam seus futuros e suas vidas”.

Trump afirmou esperar uma transição pacífica à democracia na Venezuela, mas voltou a dizer que “todas as opções estão à mesa”. O norte-americano também chamou Nicolás Maduro de “marionete de Cuba”, que “prefere ver seu próprio povo morrer de fome a aceitar ajuda”.

Os Estados Unidos foram o primeiro país a reconhecer Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela. O líder da oposição a Maduro – que também preside a Assembleia Nacional, o parlamento venezuelano – prestou juramento para o cargo durante os protestos contra o regime chavista em janeiro.

O alto comando das Forças Armadas da Venezuela, porém, manteve o apoio a Maduro. Os militares, inclusive, foram acusados pelos venezuelanos de bloquear a entrada do carregamento com a ajuda humanitária na ponte na fronteira com a Colômbia.

Trump usou o exemplo da Venezuela para dizer que o “socialismo está morrendo na América Latina”. “A liberdade, a prosperidade e a democracia estão voltando”, afirmou.

Na mesma linha do discurso sobre o Estado da União, Trump voltou a dizer que os Estados Unidos “jamais serão um país socialista”.

O presidente norte-americano também mencionou o exemplo de Nicarágua e de Cuba, que, segundo ele, são países com “potencial inacreditável” prejudicados pelos regimes de Daniel Ortega e Miguel Díaz-Canel, respectivamente.

*G1 – Editado por Blog do Valente