Líder do BDM capturado em São Paulo é levado para Salvador

Já foi levado para Salvador Venicio Bacellar, conhecido como Fofão, um dos líderes da facção Bonde do Maluco (BDM). Capturado na capital paulista, ele integra a mesma quadrilha a que pertencia Diego Ferreira Figueredo, conhecido como Açúcar, morto nesta segunda-feira (9), em conflito com a polícia no bambuzal de acesso ao Aeroporto Internacional de Salvador, vindo de São Paulo. Foi morto também um suposto comparsa de Diego que foi buscá-lo no terminal.

De acordo com informações da Secretaria da Segurança Pública (SSP), Fofão lidera uma facção que atua no tráfico de drogas, roubos a bancos, lavagem de dinheiro e homicídios, na Bahia. Fofão será apresentado nesta terça-feira (10), às 11h30, na Coordenação de Operações Especiais (COE) da Polícia Civil, localizada no Aeroporto Internacional de Salvador.

Em agosto, outros dez criminosos da mesma quadrilha foram presos em uma megaoperação na região metropolitana de Salvador e em Aracaju. Na ocasião 13 armas, entre elas um fuzil M15, de fabricação norte-americana, calibre 556, nove pistolas dos calibres 9 milímetros, ponto 40, 45 e 380 e três revólveres calibres 38.  “Esses são indivíduos de altíssima periculosidade, que fugiram para outro estado após fecharmos o cerco, mas não por muito tempo”, afirmou o secretário da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa.

Segundo o Laboratório de Tecnologia Contra Lavagem de Dinheiro da SSP, Fofão comandava o grupo do BDM preso na Operação Balão Mágico. Ele é o 3 de Ouros do Baralho do Crime, e morava na capital sergipana. “Ele tem, pelo menos, quatro identidades. Era quem comandava esse grupo. Tentamos cumprir o mandado de prisão dele, mas ele conseguiu escapar”, explicou o coordenador do laboratório, Oscar Vieira, na ocasião da prisão de dez suspeitos. A captura de Fofão ocorreu em São Paulo.

Venicio foi preso em São Paulo e virá para Salvador nesta terça (Imagem: Reprodução)

Segundo a polícia, o principal comparsa de Venicio era o primo dele, André Luís Bacellar da França. Ele seria o responsável por coordenar a área financeira do BDM, recrutando laranjas e fazendo a lavagem de dinheiro da quadrilha. André Luís morava em uma casa de luxo em Camaçari, no mesmo terreno que outros familiares, e foi preso em flagrante em agosto.

De acordo com o Draco, o dinheiro apreendido na Balão Mágico (R$ 85 mil) foi encontrado dentro de um cofre escondido num freezer desligado no sótão da casa de André Luís.

A polícia informou, em agosto, que André Luís contava com a ajuda de dois gerentes que administravam o tráfico de drogas: Laelson Santana Santos, o Galego, e outro homem identificado apenas como Lucas. O primeiro morreu durante uma troca de tiros com policiais da Força-tarefa e do Bope, em 18 de agosto. O segundo, conseguiu fugir. Os outros integrantes da quadrilha atuavam no financiamento ou na distribuição das drogas.

Foram presos também Mariana Oliveira Costa, Geraildo Silva dos Santos, Wagner Bacellar Costa, Daniela Santos Canuto, Caio Vinícius Nascimento Santos, Maria Auxiliadora Bacellar Costa e Sérgio de Jesus Lima; este último não era alvo da operação, mas estava com Geraildo quando os policiais chegaram e, por isso, foi preso em flagrante por porte ilegal de arma e tráfico de droga.

Em Aracaju, os policiais capturaram Luís Henrique Oliveira de Freitas e Juliana Santos Teles da Silva. Todo esse grupo, exceto Sérgio, possuía mandado de prisão. Os dez suspeitos foram indiciados por tráfico de drogas, associação ao tráfico, lavagem de dinheiro e porte ilegal de arma. Dois adolescentes também foram apreendidos por suspeita de envolvimento com a quadrilha.

Bonde do Maluco
Um dos cinco grupos criminosos mais atuantes na Bahia, e considerado o mais violento, o BDM surgiu em 2015 no pavilhão V do Presídio Salvador, no Complexo da Mata Escura. Liderada pelo assaltante de banco Zé de Lessa, que está foragido, a facção nasceu como uma ramificação da facção Caveira, comandada por Genilson Lima da Silva, o Perna, atualmente preso no Presídio Federal de Catanduvas (PR).

Seguindo modelo semelhante às maiores organizações criminosas do país – PCC, de São Paulo, e Comando Vermelho, do Rio -, o BDM foi criado para ampliar a área de atuação da facção Caveira, nesse caso, na Bahia, em alguns pontos estratégicos do tráfico da capital, como Subúrbio e Cajazeiras, e principalmente na RMS.

Número 1 do Bonde do Maluco, Zé de Lessa já chegou a ser preso, mas foi solto e é procurado (Foto: Divulgação)

No entanto, houve um racha e uma parte do grupo mais agressiva ficou sob o comando do assaltante de banco José Francisco Lumes, o Zé de Lessa, procurado atualmente pelas polícias Civil, Militar e Federal.

Atualmente, a facção tem atuação em Cajazeiras, Brotas, parte do Subúrbio e orla (entre a Boca do Rio e Itapuã), Cabula, Garcia, Pau da Lima e parte da Ilha de Itaparica. A expansão começou por Cajazeiras X.

*Correio