Simões Filho: após ser acusada de pagar R$ 2 mil para matar o companheiro, mulher nega e afirma ser inocente

Dois meses após a morte do barbeiro Kléber Pereira Silva, 33 anos, conhecido como “Klebinho”, assassinado a tiros em Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), houve uma reviravolta sobre a autoria do crime. O caso, que foi inicialmente tratado como latrocínio (roubo seguido de morte), ganhou uma nova versão após a prisão de um dos suspeitos de cometer o homicídio, e agora a última companheira da vítima está sendo acusada de ser a mandante do delito.

A policia estava investigando o caso, e na tarde da última quarta-feira (8/3), policiais do Pelotão de Emprego Tático Operacional (Peto), prenderam na Rua Salvador, no Bairro Jardim Eldorado, Robert Santos do Nascimento, um dos suspeitos do crime, acusado de ser o autor dos disparos que matou o barbeiro Kléber Pereira na noite do dia 21 de dezembro de 2017, Via Universitária, no Bairro Vida Nova.

Em nota, a assessoria de comunicação da 22ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM), informou que o acusado confessou o crime. “Ao ser indagado sobre o ocorrido, o mesmo confessou ter atirado na vítima a mando da sua companheira, que teria lhe pago a quantia de R$ 2 mil reais, sendo que a mesma providenciou a arma utilizada no crime, bem como a moto e o piloto conhecido apenas como Jonh que ainda não foi localizado”, informou o Tenente bastos.

A Polícia Militar informou ainda, que foi até a residência da suposta mandante, a companheira da vítima, e a conduziu até a 22ª Delegacia Territorial onde prestou depoimento, sendo liberada logo em seguida.

ELA NEGA

A acusada de ser a mandante do assassinato conversou por telefone com a reportagem do Simões Filho Online e negou a sua participação no assassinato. “Eu não tenho relação nenhuma com o crime, e nem conheço o homem que me acusou. É fácil a pessoa acusar a outra. E a minha vida como é que fica? Meu depoimento está lá e eu não tenho nada haver com isso, eu estava em casa quando tudo aconteceu. Chega agora divulgam meu nome e eu vou ficar apontada pelo que eu não fiz, não sei porque estão dizendo isso”, afirmou, aos prantos, a acusada.

O CRIME

Kléber Pereira Silva foi morto a tiros após ser seguido por uma dupla armada na noite do dia 21 de dezembro de 2017. A vítima estava em uma moto com uma mulher na garupa, quando dois homens em uma motocicleta efetuaram os disparos.

O crime aconteceu na entrada do bairro Vida Nova, na Via Universitária – pista transversal da Avenida Elmo Cerejo Farias, próximo ao Ginásio de Esportes. A ação criminosa ocorreu no sentido da pista que leva ao SESI – (Serviço Social da Indústria).

Segundo depoimento da mulher que acompanhava a vítima, os suspeitos abordaram Kléber, pediram que ela fosse embora do local, pois, o assunto deles era com o barbeiro e efetuou os disparos de arma de fogo. Ensanguentado, Kléber chegou a ser socorrido para o Hospital Municipal de Simões Filho, mas não resistiu aos ferimentos e morreu antes de receber atendimento médico.

Kléber deixou quatro filho com a ex-companheira. Ele trabalhava cortando cabelo em sua babearia localizada na entrada da rua que liga ao colégio Polivalente de Aratu, no Bairro Cia 2.

*Simões Filho Online