Metade dos ministros de Temer é investigada pela Comissão de Ética da Presidência

Dos 28 ministros do governo de Michel Temer, 14 são investigados pela Comissão de Ética Pública da Presidência. De acordo com levantamento da Coluna do Estadão, do jornal O Estado de S. Paulo,   os processos foram instaurados ao longo de um ano e oito meses de governo e ainda estão sendo conduzidos pelos conselheiros. Ainda segundo a publicação, a maior parte dos ministros é implicada em apenas duas denúncias. Uma delas foi feita pelo PT, que acusa titulares das pastas de receberem os cargos após darem votos favoráveis ao impeachment de Dilma Rousseff. Já a outra investiga denúncia de que pré-candidatos usaram agendas oficiais para privilegiar suas bases eleitorais nos Estados. Principais articuladores do núcleo duro do Planalto, Moreira Franco (Secretaria da Presidência), Eliseu Padilha (Casa Civil) e Carlos Marun (Secretaria de Governo) são alvos de denúncias. Eles negam as acusações. E, mesmo após saírem dos cargos, outros dez ex-ministros de Dilma e Temer permanecem alvos do colegiado. Entre eles, estão Paulo Bernardo (Comunicação), Ronaldo Nogueira (Trabalho), Marcos Pereira (Indústria) e Geddel Vieira Lima (Governo). Em defesa, todos negam envolvimento nas denúncias.

*BN