Em ritmo de papa-léguas, 2 de Julho vira palco de protestos

Foto: Tácio Moreira / Metropress

Em um dos mais rápidos cortejos da história, o 2 de Julho virou palco de protestos políticos. O festejo, que iniciou uma hora antes do horário tradicional, por causa do jogo da Seleção Brasileira na Copa do Mundo, encerrou antes do previsto, às 9h30. A expectativa era de que terminasse por volta das 10h30.

No trajeto, populares protestaram contra o BRT, que será construído pela Prefeitura de Salvador, e o assassinato da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco (PSOL).

Aliados e simpatizantes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) também criticam, com placas e gritos de ordem, a prisão do petista, ao pedirem “Lula Livre”. Também houve uma homenagem ao ex-governador da Bahia, Waldir Pires (PT), que morreu na semana passada.

Em um ato de servidores contra a administração soteropolitana, a Guarda Municipal chegou a lançar gás de pimenta para conter os ânimos e a comitiva do prefeito ACM Neto (DEM) foi atingida e alguns aliados chegaram a passar mal.

Apesar de rápido, o percurso contou com a presença das principais autoridades do estado, como o governador Rui Costa (PT) e o postulante do DEM ao Palácio de Ondina, José Ronaldo de Carvalho. Pré-candidatos a presidente da República, Ciro Gomes (PDT) e Guilherme Boulos (PSOL) também estiveram na festa.

Fonte: M1