Governo tenta conter crise no Congresso para garantir aprovação da Previdência

 

Para tentar blindar a reforma da Previdência e aprová-la de forma definitiva e sem novas derrotas até meados deste mês, o governo vai tentar melhorar a relação com o Senado. Ontem (2), com uma semana de atraso, o plenário do Senado concluiu a aprovação da proposta em primeiro turno. A equipe econômica se incomodou com a “desidratação” do texto.

Segundo a Folha, integrantes do governo Bolsonaro reconhecem que ajustes na articulação política são inevitáveis para a próxima etapa, esperada para ocorrer até o dia 15 de outubro. A tendência é que o governo intensifique o mapeamento de pendências e demandas. Senadores reclamam que o Planalto tem priorizado a Câmara nas negociações e cobram a liberação de emendas parlamentares para compensar o desgaste político causado pela aprovação do texto.

A articulação ficará sob responsabilidade do secretário de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho. “Não sei se vai haver atrasos. Não há posição definitiva”, disse o secretário ao jornal.

*Metro1




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *