“Nossa cultura é de ser surpreendida por fatos previsíveis e depois ter que correr atrás do prejuízo”, diz Alexandre Garcia