Para Alexandre Garcia, as crianças de hoje são criadas com muita fragilidade e superproteção, “na primeira dificuldade acham que é uma tragédia”