Alexandre Garcia: “Ciro quando morde a própria língua envenena-se”