Quadrilha saqueia BB e casas comerciais de Laje

Bandidos fortemente armados se apossaram da cidade, fizeram seis reféns e apavoraram a população.

A população do município de Laje, no recôncavo sul do estado, distante 228km de Salvador, viveu cerca de 45 minutos de pânico na manhã de ontem, quando pelo menos 15 homens fortemente armados sitiaram a cidade, roubaram todo o dinheiro da agência do Banco do Brasil, invadiram a delegacia, saquearam estabelecimentos comerciais e fizeram seis reféns, entre eles um policial civil. A polícia realiza buscas na região, mas ainda não conseguiu pistas do paradeiro dos bandidos.Armados com pistolas, fuzis e submetralhadoras, os bandidos, alguns deles encapuzados, utilizando uma Ford S-10 e um Volkswagen Fox, interceptaram um caminhão na entrada da cidade e o atravessaram na estrada que liga Laje ao município de Mutuípe. Em seguida, chegaram à delegacia, localizada na Avenida José Sampaio, bairro de Penedo, por volta das 9h, onde fizeram reféns o escrivão Ednaílson Souza e um funcionário da prefeitura de prenome Emanuel. Um agente e um PM perceberam a ação e fugiram pelos fundos da unidade.A quadrilha seguiu com os reféns ao centro da cidade na S-10, no Fiat Uno pertencente ao agente e em um Ford Fiesta tomado de assalto num posto de lavagem de veículos localizado próximo à delegacia, onde o Fox foi abandonado. Pouco depois de a agência do BB abrir, cinco deles a invadiram, atirando para cima, causando pânico entre funcionários e clientes, além de moradores da cidade. Enquanto três assaltantes recolhiam o dinheiro do cofre e dos caixas, outros dois obrigaram o gerente Paulo Sérgio Souza Porto, 45, a abrir os três caixas eletrônicos do estabelecimento, levando todas as gavetas. Ele e um vigilante foram feitos reféns.  Enquanto isso, os demais bandidos saquearam uma padaria, um supermercado, duas lojas de artigos para presentes, uma casa lotérica e outra de material de construção, mantendo dois comerciantes também como reféns. No final da ação, o bando fugiu na S-10, no Uno e numa Kombi (onde os seis reféns eram transportados), levando a fita do circuito interno de TV e abandonando o Fiesta em frente à agência.