Pesquisador da história de Santo Antônio defende manutenção de “tesouros” da Praça Padre Matheus

“Conforme anúncios veiculados por toda imprensa e pelo poder público sobre a reforma da Praça Padre Mateus logo após o carnaval, seria interessante levar em conta a análise dos 3 itens a seguir: O primeiro é manter aquela árvore, ou seja, o Oitízeiro secular que fica em frente ao BRADESCO, pois representa para todos nós santantonienses um patrimônio natural de grande relevância pelo fato do mesmo ser motivo de muitas reminiscências do nosso passado, servindo de abrigo para várias quermesses, feirinhas e encontros de várias gerações.O segundo é conservar e manter aquele monumento comemorativo do Centenário de Emancipação Político-Administrativa de Santo Antônio de Jesus, o obelisco em forma de capelinha, inaugurado em 1980, que fica no centro da praça e que delimita o local exato onde foi construída a Capela do Padre Mateus, marco de fundação da cidade.O terceiro e mais importante ítem é que no subsolo da Praça Padre Mateus há um importante sítio arqueológico, pois ali se formou o primeiro núcleo urbano, a primeira feira livre e onde existia o 1º cemitério da cidade, localizado no fundo da antiga Igreja Matriz. Na década de 80, quando foi construído o atual jardim e cavaram uma parte para fazer o lago, foram descobertas moedas, loucas, crânios, etc, devendo ainda hoje haver inúmeras relíquias”.

Tau Tourinho

Artista Plástico, Cineasta e Pesquisador da nossa história.