Deficiência auditiva na infância

A perda auditiva acomete cerca de 10% das crianças em idade escolar e muitas vezes só é identificada tardiamente. Quando não reconhecida, e dependendo do grau dela, a deficiência auditiva pode causar muitos problemas para as crianças, como por exemplo dificuldade no desenvolvimento da fala.Como todos aprendem a falar ouvindo,a surdez na primeira infância pode alterar bastante esse desenvolvimento. Pode também influenciar no aprendizado e na integração social, já que problemas de comunicação interferem sensivelmente no relacionamento entre a criança com deficiência auditiva e as outras. Quanto mais cedo a deficiência auditiva for identificada, melhores serão as chances de tratá-la de forma eficiente e reduzir as conseqüências. Como ocorre a audição? O ouvido transforma os sons em sinais elétricos que o cérebro é capaz de entender. Os sons alcançam o ouvido externo… Passam pelo conduto auditivo externo (canal do ouvido)… E atingem o tímpano, que vibra. As vibrações do tímpano chegam até três pequenos ossos do ouvido médio (martelo, bigorna e estribo)… E são conduzidas aos líquidos do ouvido interno… Em seguida, atingem as células receptoras, que transformam as vibrações em impulsos elétricos. Estes impulsos caminham através do nervo auditivo até o cérebro, que os percebe como sons. As perdas auditivas podem acontecer quando existem problemas em alguma das partes do ouvido.

Podem ser : 1) CONDUTIVA – Lesão do ouvido externo ou do ouvido médio(por doença, trauma ou problemas de malformação congênita); 2) SENSORIO- NEURAL – Lesão do ouvido interno (por doença, trauma ou problemas de malformação congênita, ou lesão do nervo auditivo); 3) MISTA – Uma combinação dos dois tipos anteriores; 4) CENTRAL – Quando ocorre no cérebro e causa alterações no processamento das informações, ou seja, a criança pode ouvir, mas não compreender.

Dra.  Adriana Andrade – Otorrinolaringologista – CLINOS