E o controle de volume na propaganda eleitoral em carros de som?

Quem mora no centro de Santo Antônio de Jesus e não gosta de zoada deve ter ficado aliviado com o fim do tráfego de carros de som naquelas imediações após o decreto do Promotor Julimar Barreto.  Nem decibelímetro, nem polícia – o exagero de volume das propagandas volantes não conhecia limites, a ponto de que quem estivesse falando ao telefone público ou tentando conversar com um cliente numa loja tinha que simplesmente esperar a propaganda passar para ter condições de ouvir e ser ouvido.  Eis que agora retorna o grande trânsito de carros de som aos bairros, divulgando os jingles de campanha.  Se por um lado a grande maioria obedece os limites de poluição sonora, por outro lado, uns e outros continuam tentando mostrar a potência de seus amplificadores e alto falantes.  Alguém fiscaliza?  Espero que sim.