A luta pela herança dos grande nomes na política

O presidente Lula chega a parecer santo padroeiro plotado em carros e aparecendo ao lado de um sem número de candidatos nesta campanha.  Com uma série de conquistas nas áreas sociais e econômicas nos últimos anos ( o que, a bem da verdade, em parte deve-se ao sucesso do plano real de FHC ) Luis Inácio se tornou figurinha fácil enfeitando a propaganda eleitoral de muita gente pelo Brasil afora. Acontece que mesmo Lula, o “Lulinha Paz e Amor” também tem momentos em que resolve brecar o apoio, como foi o caso do bispo Crivela no Rio de Janeiro, proibido pela justiça de utilizar o apoio do presidente na campanha eleitoral.  A versão santoantoniense do problema se dá em função de nomes de lideranças que já não estão mais entre nós, os saudosos prefeitos Renato Machado e Ursicino Pinto.  No debate da Andaiá o que se viu foi uma polarização entre os dois principais candidatos da campanha discutindo quem melhor apoiava Renato em vida, quem era amigo de Ursicino e quem não era.  A continuidade da questão foi para o horário eleitoral gratuito, inclusive com a participação do filho de Renato Machado, Coque.  Agora é esperar pra ver no dia 5 de outubro se essa questão de apoio realmente é capaz de angariar votos ou vale mais como uma questão estética.