Professor alerta para risco de doenças respiratórias com isntalação de termoeletrica em Sapeaçú

Convém esclarecer que esta manifestação se justifica uma vez que as termoelétricas deverão gerar cerca de 290 mW de energia elétrica com a queima de cerca de 59 toneladas do óleo pesado da Petrobrás, segundo Ata 326º do CEPRAM para transferência das usinas de Eunápolis para Sapeaçu lavrada em 30 de janeiro de 2009 http://www.semarh.ba.gov.br/cepram/326ata_2009.pdf) to significa uma contaminação ambiental atmosférica sem precedentes para o Território do Recôncavo da Bahia. O alcance das substâncias emitidas pelas termoelétricas serão de, no mínimo, 40 Km. Mas, acredito que deverá alcançar uma distância muito maior. Pois, os contaminantes oriundos da queima bem como do transporte do combustível, deverão alcançar corpos d´água e serem carreados.  A incidência de muitas doenças respiratórias está relacionada com o aumento da poluição atmosférica. Muitos relatos tem sido disponibilizados em artigos científicos sobre as repercussões clinicas da poluição atmosférica (http://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v32s1/a02v32s1.pdf) tais como conjuntivites, bronquites, agravamento de asmas, pneumonias e muitas outras enfermidades respiratórias. Adicionalmente, há ocorrências de anomalias congênitas e incidência de fetos sem cérebro (http://www.conjur.com.br/2005-set-06/termoeletrica_sc_obrigada_medir_poluicao). No sistema público de saúde não está apto para tratar dos casos decorrentes da eminente catástrofe ambiental anunciada.

Prof. Sivanildo da Silva Borges Pós-doutor em Química pelo Centro de Energia Nuclear na Agricultura – USP.