O Mendigo

Certa vez, quando batia meia noite, não tendo sono me levantei e, observando através da vidraça, eu vi um mendigo lá na praça! À noite estava fria e lá naquele banco dormia, um pobre mendigo! Ele vivia triste e desprezado, não tinha um lar para poder descansar… aqui do meu quarto eu sentia frio, talvez lá naquele banco ele não estivesse sentindo, porque Deus dá aos pobres resignação, que é um sentimento nobre! Ele vivia desprezado e triste, sem amigos, sem lar!  Era um pobre mendigo que vivia no mundo, a rolar. Um dia ele me disse: Joscar, o que é que eu faço nessa nesta vida?! Nada. Simplesmente nada. Eu só faço é vagar por esse mundo a fora, sem pressa. Às horas passam, os dias passam, os anos passam, pra mim dá tudo no mesmo. Até o dia do meu aniversário me passa despercebido. As festas pela mesma forma. Não tenho casa, não tenho família, não tenho amigos, enfim: nada. Simplesmente nada. Vivo perdido nesse turbilhão da vida, vivo fugindo de mim mesmo. Todas as almas vivem dentro das pessoas!… Será que a minha alma vive dentro de mim?! Eu sinto o meu corpo leve, leve como se flutuasse! Um dia, Joscar, eu me sentei em uma escadaria de uma igreja; e observando às pessoas que passavam, às pessoas que entravam no templo, às pessoas que tinham dentro de si, almas! Eu percebi afinal: eu sou um mendigo, mas tenho alma também! Levantei-me e subi ainda mais os degraus daquele templo, quando percebi já estava lá dentro, justamente com aquelas pessoas que tinham dentro de si, almas!… Aí, eu encontrei um grande amigo, que me deu forças pra continuar vivendo! Desse dia em diante eu já sabia o que fazer da minha vida. Não mais vagava. Todos os dias eu vinha conversar com o meu bom AMIGO! Enfim, a minha vida se modificou, apesar de continuar mendigo! Sim, um mendigo que tinha agora um grande amigo: DEUS !

Joscar