Regional responsabiliza Hospital Otto Alencar, de Laje, por morte de paciente

O diretor m?dico do Hospital Regional de Santo Ant?nio de Jesus, o m?dico ortopedista, Jorge Lima, garante que a unidade n?o teve culpa ou responsabilidade pela morte da paciente Maria C?lia de Almeida, na noite do ?ltimo s?bado (1). Ela chegou com traumatismo craniano e vomitando sangue ap?s sofrer acidente de moto, receber os primeiros socorros no Hospital Municipal Oto alencar, em Laje, e ser encaminhada para o hospital de refer?ncia na regi?o, o Hospital Regional. Sem atendimento, acabou morrendo no sagu?o do hospital, mesmo ap?s apelos da fam?lia que pediam a presen?a de um m?dico.

Segundo o m?dico, n?o houve consulta, regula??o e nenhum outro contato formal ou informa??o para o encaminhamento da paciente. Quando a paciente chegou, ?s 19h40, entregaram um relat?rio de transfer?ncia da unidade de origem, mas as equipes de cirurgia geral e ortop?dica estavam no centro cir?rgico. ?As equipes operavam um homem que foi baleado e estava com fratura exposta. N?o podia parar uma cirurgia para fazer outra. Pedimos que encaminhassem a paciente para outra unidade. Enviamos uma enfermeira, mas quando ela chegou, a paciente tinha morrido. Foi quest?o de minutos?, garantiu.

O m?dico disse que o Hospital Municipal Otto Alencar, de Laje, encaminhou uma paciente em estado grave sem nenhum suporte. ?A paciente, em estado grave, veio numa ambul?ncia sem nenhum equipamento. A responsabilidade do desfecho do caso ? do hospital de origem, a quem cabe o encaminhamento de acordo com as exig?ncias do Conselho Federal de Medicina (CFM)?, salientou. Jorge Lima informou ainda que os munic?pios est?o encaminhando os pacientes para o Regional sem regula??o. ?Encaminham aleatoriamente, pondo em risco a sa?de dos pacientes quando o correto ? encaminhar ap?s regula??o?, lamentou o diretor m?dico do Regional. Segundo ele, mesmo em casos de urg?ncia e emerg?ncia, tem que se cumprir os regulamentos. ?A Resolu??o do CFM n?mero 1672 diz que o m?dico ou hospital que assistiu primeiro o paciente se tornam respons?veis legais por ele e s? podem transferi-lo para outra unidade ap?s consulta e regula??o e em ve?culo equipado e, em casos graves, com um m?dico acompanhando. O que n?o foi o caso?, justificou.

Por sua vez, o diretor administrativo do Hospital Municipal Otto Alencar, em Laje, Ackson Queiroz Teixeira, diz que ap?s sofrer o acidente de moto, a paciente recebeu os primeiros socorros no hospital do munic?pio e, como o estado era grave, foi encaminhada para um hospital de refer?ncia que ? o Regional. ?Se n?o tem como atender as emerg?ncias e urg?ncias, que foi o caso da paciente, e at? de outros que temos encaminhado, que refa?a a pactua??o com os cerca de 30 munic?pios da regi?o?, salientou. Teixeira disse ainda que o hospital do munic?pio ? de pequeno porte. ?Levamos 20 minutos para atender e encaminhar a paciente para o Regional. Agora, se eles n?o tem resolutividade o problema ? deles. S?o tr?s centros cir?rgicos e 10 leitos de UTI. Tem infraestrutura mas n?o tem suporte humano?, lamentou.