Polícia Civil cumpre 33 mandados contra líderes de facção em presídios baianos

Foto: Divulgação/Polícia Civil

A Polícia Civil da Bahia cumpriu 33 mandados de prisão nesta quinta-feira (23) durante a Operação Premium Mandatum, focada em desmantelar uma organização criminosa que atua dentro e fora do sistema prisional. Entre os alvos, apenas sete estavam em liberdade, enquanto os demais já cumpriam pena em penitenciárias.

A operação ocorreu em municípios do interior do estado e envolveu revistas em celas de presídios localizados em Simões Filho, Juazeiro, Teixeira de Freitas, Paulo Afonso e Vitória da Conquista. Os 26 integrantes da facção criminosa, cujo nome não foi divulgado, tiveram suas celas inspecionadas por agentes de segurança.

A delegada Rogéria Araújo, diretora do Departamento de Polícia Civil do Interior (Depin), coordenou as ações nas penitenciárias.

“Nós chegamos a vários crimes de homicídio com ordens que partiram de dentro do sistema prisional por parte desses investigados, alcançando inclusive executores. Além disso, temos comprovada a prática de aquisição de arma de fogo para a partir de ações coordenadas por eles, que fomentam a entrada desse armamento no estado, e o tráfico de drogas como cocaína e maconha, que também funcionava sob ordens destes presos”, explica a delegada.

A operação mobilizou 200 servidores da Polícia Civil, equipes do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), da Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap), policiais militares e agentes da Polícia Civil de Pernambuco. O coordenador de operações da Polícia Judiciária, delegado Artur Guimarães, destacou a importância da operação e os tipos de provas coletadas.

“Nessas celas, a gente coleta elementos que são provas de comunicação interna e externa. Essas buscas e apreensões já são, por hábito, realizadas pelas polícias penais. Nessa ação, porém, a gente vai muito incisivo, já tem aqueles indivíduos que foram identificados como liderança. Em geral, a gente pode falar em celulares, cadernos, anotações e outros itens que não se pode detalhar”, fala o delegado.

Rogéria Araújo destacou que as investigações buscam não apenas neutralizar a comunicação entre os criminosos dentro e fora das prisões, mas também identificar possíveis facilitadores no sistema prisional.

“A Polícia Civil não pode afirmar e nem negar. Todo o material, como eu disse, está sendo recolhido, será analisado. Como você vê, é uma investigação muito complexa que está aí desde o ano de 2021. Então é um farto material que vem sendo coletado com o apoio do Ministério Público e do Gaeco”, completa.

A investigação que levou à operação começou após a prisão de um suspeito em 2021, no município de Senhor do Bonfim. Este indivíduo, identificado como chefe do tráfico de drogas na região, ordenava crimes de dentro do presídio.



Veja mais notícias no blogdovalente.com.br e siga o Blog no Google Notícia