Com famílias desabrigadas, Amargosa e São Miguel das Matas decretam situação de emergência

Registrados desde o último sábado (29), os tremores de terra deixaram seis famílias desabrigadas em São Miguel das Matas e outra em Amargosa. Os moradores podem receber aluguel social das prefeituras até conseguirem reconstruir ou reabitar suas casas. Das afetadas, apenas uma família de São Miguel das Matas optou por ficar na casa de parentes e não receber o auxílio da prefeitura. As cidades decretaram situação de emergência após a ocorrência de terremotos nos municípios.

Em Amargosa, a situação de emergência foi decretada nessa quinta-feira (3) vigorando por um período de 90 dias. De acordo com o prefeito Júlio Pinheiro, 15 residências são monitoradas pela gestão para verificar se haverá a progressão das rachaduras causadas pelo tremor de terra com a continuidade dos sismos.

“O decreto é um protocolo para que a adoção de medidas de socorro e recuperação das casas possa ser feita sem cumprir certas formalidades”, explicou o gestor. Uma igreja e duas escolas também foram afetadas pelos terremotos.

Localizada na comunidade do Feto, no distrito de Corta-mão, no município de Amargosa, a casa da família de Rosimare Santos, 37 anos, caiu parcialmente no último domingo (30) e deverá ser demolida. Por enquanto, os moradores estão com parentes enquanto esperam a disponibilidade de uma residência pra alugar na zona rural da cidade.

“Minha casa vai ter que ser construída do zero. Por enquanto, estamos na casa do meu pai porque a prefeitura disse que tínhamos que sair de casa, eles estão procurando um aluguel social para me dar o suporte. Mas, por enquanto, vou ficar aqui”, contou.

Boa parte da casa de Rosimare desabou com o terremoto (Foto: Ivan Silva)

O decreto de situação de emergência no município de São Miguel das Matas foi assinado na segunda-feira (31). No documento, a prefeitura cita os danos causados pelos recorrentes tremores de terra nas regiões de Tabuleiro da Boa Vista, Pedreira, Prensa, Riachão, Gendiba, Cabeça do Boi e na sede do município.

De acordo com o prefeito José Renato Curvelo, a gestão já identificou cinco casas destruídas pelo terremoto e mais de 50 com rachaduras causadas pelos tremores. Boa parte dos estragos ocorreu na zona rural, que é mais próxima do epicentro, em Amargosa.

“Além das casas, também apareceram rachaduras em uma escola e uma igreja. Algumas casas avaliadas podem ter que acabar sendo demolidas”, afirmou.

Morador de São Miguel das Matas, Elielson Lopes, 48, teve que deixar o lugar onde mora, no domingo, após o grande tremor. Durante o evento sísmico, a sua esposa foi atingida por uma telha e se machucou. Agora, ele espera receber o auxílio-aluguel da prefeitura.

“Estou em uma casa de aluguel, prometeram me ajudar e até agora nada. Minha casa foi toda detonada, só aproveita a madeira. O tremor do domingo foi horrível”, contou Elielson.

Ambas as cidades buscam recursos junto ao estado e ao governo federal para reconstruir e reformar os imóveis afetados pelos terremotos. As duas prefeituras acompanham a evolução dos tremores, dão suporte para as famílias que estão amedrontadas e orientam a atuação em caso de novos abalos sísmicos.

Segundo o superintendente da Defesa Civil da Bahia (Sudec), Paulo Sérgio Luz, os municípios de Amargosa e São Miguel das Matas foram mesmo os mais afetados. Em conjunto com a prefeitura, os agentes do órgão ainda realizam o levantamento do número de desabrigados e de imóveis danificados na região.

Desde o último sábado (29) até esta quinta (3), a Rede Sismográfica Brasileira registrou 23 tremores de terra na região de Amargosa. O maior evento foi registrado no domingo e teve magnitude de 4.6 na escala Richter.

Cidades vizinhas

Em Mutuípe, nenhuma casa chegou a desabar em decorrência do terremoto, afirma o prefeito Rodrigo Maicon de Santana Andrade, conhecido como Digão: “Não registramos nenhum dano grande, apenas rachaduras em algumas casas”.

O último tremor relatado pelos moradores da cidade ocorreu na terça (1), contou Digão, que diz acompanhar a situação em conjunto com um comitê montado pela prefeitura. “Na terça, apenas a zona rural sentiu o tremor”, disse.

Os tremores também não causaram grandes impactos estruturais em Elísio Medrado. Segundo o vice-prefeito, Williams Panfile, apenas algumas casas ficaram rachadas, especialmente, em algumas comunidades da zona rural. Uma creche também apresenta rachaduras. “Não ocorreu nada que prejudicasse a estrutura, apenas pequenas rachaduras”, garantiu.

A cidade ainda registra tremores, mas nada como o que ocorreu no domingo. Devido à redução na intensidade dos sismos, o vice-prefeito afirma que a população está mais tranquila: “No primeiro momento, houve uma situação de medo pelo desconhecido, mas agora não existe mais o pânico”.

Mesmo com a redução da intensidade dos tremores, a prefeitura de Mutuípe continua a fazer vistorias no município, informou Panfile.

Sismógrafos

Com a ocorrência de tremores na região, nove sismógrafos serão instalados em uma rede que cobrirá os municípios de Amargosa, Mutuípe, São Miguel das Matas, Elísio Medrado, Brejões, Laje e Ubaíra. Os equipamentos começarão a ser instalados nesta sexta-feira (4) por uma equipe de sismólogos e pesquisadores do Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LABSIS/UFRN), que integra a Rede Sismográfica Brasileira (RSBR).

A previsão é que os sismógrafos estejam funcionando até o dia 13 de setembro. O trabalho será acompanhado por uma equipe da Defesa Civil do Estado da Bahia. Os aparelhos são usados para detectar os movimentos do solo, inclusive, os gerados pelas ondas sísmicas.

O professor titular do Departamento de geofísica da UFRN e coordenador do Labsis, Aderson Farias, explica que os equipamentos permitirão uma maior precisão na detecção dos tremores de terra.

“A Rede Sismográfica Brasileira tem cerca de 100 estações na rede permanente, o que é pouco para o Brasil. Quando se quer estudar com detalhe como a sismicidade está evoluindo em um local e como a falha está se comportando, a maneira mais apropriada de fazer isso é instalando uma rede local com um maior poder de resolução. É preciso aumentar o poder de percepção e localizar a extensão da falha, com isso, é possível indicar melhor a evolução da falha e orientar de alguma forma o trabalho da Defesa Civil”, explicou.

A instalação dos equipamentos é financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

*Correio




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *