Família relata que gestante teve parto violento em hospital de Laje: “resolveram subir em cima da barriga dela para fazer o parto”

Uma família denuncia que Claudeci Brito Leandro, de 40 anos, foi submetida a um parto violento no hospital de Laje, o que, segundo eles, culminou na morte da criança.
De acordo informações da irma de Claudeci, a gestante chegou a Maternidade do município por volta das 1h30 da madrugada de segunda-feira (31), em trabalho de parto, foi informada por um médico que faltava apenas 4 cm para o bebê nascer, mas depois da troca de plantão, informaram que o  equipamento de ver a criança estava com defeito e, em seguida, que o bebê  já estava morto.
Diante da situação, segundo a família, os médicos disseram que tentaram uma regulação para o Hospital e Maternidade Luiz Argolo, mas demorou de ser liberada, por isso, decidiram fazer o parto normal lá mesmo. “Juntou a médica e a enfermeira para fazer força na barriga de minha irmã. Resolveram subir em cima da barriga dela para fazer o parto, o neném saiu só a cabeça e os ombros, e ficou preso  entre as pernas da mãe. Minha irmã está toda roxa, cortaram muito minha irmã para o bebê sair, mas ele não saiu”, detalhou a irmã de Claudeci, em contato com o Blog do Valente.
Como o bebê não saiu, segundo a família, o hospital de Laje decidiu levar a gestante para Santo Antônio de Jesus. “Quando chegou em Santo Antônio era mais de 9h da manhã, toda lavada de sangue, com o soro colocado errado, com as pernas abertas, pior que animal. Nunca vi nada igual”, lamentou, relatando ainda que o médico do Luiz Argolo, ao ver a situação, ficou indignado, e  disse que iria salvar a mãe, porque não tinha mais  nada a ser feito pelo bebê.
Ainda segundo a irmã da gestante, ao foi arrumar o bebê para colocar no caixão. o pescoço da criança estava deslocado e a pele toda ferida.
A família afirmou ainda que está tentando pegar o prontuário da paciente no Hospital de Laje, mas ainda não conseguiu, pois a instituição alega que ainda não foi assinado. “O aguardo é até terça-feira, se não entregarem, vamos entrar pela justiça”, explicou.
Lamentando o ocorrido, a família disse estar ciente que uma criança pode morrer no parto, mas que o hospital de Laje desse a oportunidade da gestante fazer uma cesariana no Luiz Argolo. “Não fazer ela colocar para fora, pois nem um animal se faz colocar para fora sem ter passagem”, concluiu.
O Blog do Valente está tentando contato com o Hospital de Laje para ouvir a versão da direção.