Fotógrafo gay agredido por vizinha relata humilhação da polícia em Itabuna: ‘a vítima foi algemada’; PM nega

 

O fotógrafo Lorran Oliveira, que vive em Itabuna, na Bahia, usou suas redes sociais para denúncia um caso de homofobia que ocorreu no último domingo (30) que envolveu a Polícia Militar da Bahia.

Lorran destacou que o fato aconteceu às 23h dentro de sua casa. Ele falou que recentemente se mudou para um novo endereço e foi motivo de chacota. “Ao passar pelos vizinhos sempre ouvindo risadas, deboches e sempre tendo que conviver com isso. Uma vizinha em especial na data mencionada acima continuou com essas atitudes e meu marido Guilherme dirigiu-se até ela, questionando-a se havia algum palhaço ali e se estávamos num circo, e ela com muita arrogância e gritando muito. Na tentativa de defendê-lo, fui a frente dela e começamos a discutir e ela descontroladamente agrediu-me verbalmente e também fisicamente”, relatou Lorran.

Durante a confusão, amigos de Lorran ligaram para a polícia e situação, segundo ele destacou, só piorou. “Minha amiga ligou para a polícia e com a chegada da viatura, a autora das agressões continuou a nos desrespeitar. Mesmo tremendo, chorando e com muito medo, o policial que atendeu a ocorrência me fez ser levado no camburão (parte do fundo da viatura) e os vizinhos impediram que eu fosse lá, já que eu fui a vítima!”, afirmou o estudante.

O fotógrafo informou ainda que as agressões continuaram no Complexo Policial de Itabuna-BA. “Eu fui direcionado a prestar depoimento, mas não foi isso que aconteceu de fato. Colocaram-me dentro de uma salinha e fui algemado, isso mesmo… A vítima foi algemada! E a autora dos crimes? Ficou na frente da recepção com os mesmos deboches a minha pessoa.
Dei o meu depoimento e fui liberado com um guia para fazer os exames de corpo de delito e pediram-me que eu aguardasse o processo na justiça”, argumentou o fotógrafo que pediu nas redes sociais ajuda par encontrar um advogado que possa lhe representar.

Fonte: Correio