Após pico, preços do petróleo caem 30% em uma semana; E nos postos? Deixe sua opinião

petróleo

Depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, os preços globais do petróleo tiveram um aumento dramático. Há pouco mais de uma semana, o petróleo Brent saltou acima de US$ 139 por barril.

Analistas alertaram que os preços podem chegar a US$ 185, depois a US$ 200, já que os traders evitam o petróleo russo, elevando ainda mais a inflação e adicionando enorme pressão à economia global.

Mas, houve uma rápida reversão desde então. Os futuros de petróleo Brent, referência global, fechou em forte baixa nesta terça-feira (15) – pela segunda vez seguida nesta semana – e os contratos no mercado futuro de Nova York e Londres voltaram a operar abaixo da marca de US$ 100 por barril.

Além da expectativa pela retomada das negociações por paz, o surto de Covid-19 na China impôs incerteza sobre a demanda global e pressionou a commodity para baixo.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do petróleo WTI com entrega prevista para abril recuou 6,38% (US$ 6,57), a US$ 96,44, enquanto o do Brent para maio baixou 6,54% (US$ 6,99) na Intercontinental Exchange (ICE), a US$ 99,91.

A retração incomumente acentuada foi impulsionada pela esperança de que a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos possam aumentar a oferta de petróleo e que a demanda da China possa cair devido a novas restrições de coronavírus nas principais cidades. Isso aliviaria o aperto no mercado.

No entanto, os analistas alertam que ainda não estamos fora de perigo. O petróleo ainda está sendo negociado significativamente acima do que custa produzi-lo, e oscilações extremas provavelmente persistirão em um momento de enorme incerteza.

“Eu não descartaria US$ 200 por barril ainda”, me disse Bjørnar Tonhaugen, chefe de mercados de petróleo da Rystad Energy. “É muito cedo.”

Após a invasão, os preços do petróleo dispararam quando os comerciantes começaram a ver as exportações russas de petróleo como intocáveis.

Isso despertou preocupações sobre como essa oferta entre 4 e 5 milhões de barris por dia poderia ser substituída, especialmente porque a demanda por combustível aumenta durante o verão.

Na semana passada, no entanto, os investidores parecem estar considerando se foram longe demais, rápido demais. O embaixador dos Emirados Árabes Unidos em Washington disse que o país quer aumentar a produção de petróleo, despertando esperanças de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo, ou OPEP, possa intervir.

Enquanto isso, a Rússia e a Ucrânia ainda estão conversando, mesmo enquanto a guerra continua.

Além disso, o compromisso da China em impedir a propagação do Covid-19, que levou a um bloqueio no centro de tecnologia de Shenzhen e novas regras em Xangai, pode significar que o país precisa de menos energia no curto prazo.

A China importa cerca de 11 milhões de barris de petróleo por dia.

“As pessoas lembraram que ainda estamos em uma pandemia”, disse Tonhaugen.

A queda nos preços do petróleo ajudou a evitar que os preços da gasolina subissem nos Estados Unidos. Eles pararam de subir por enquanto, embora um galão de gasolina ainda custe quase US$ 4,32 em média.

Embora US$ 100 por barril de petróleo ainda seja extremamente caro, se os preços permanecerem nessa faixa, isso poderá aliviar alguns temores sobre uma aceleração da inflação. Os formuladores de políticas monetárias provavelmente dariam um pequeno suspiro de alívio.

Mas está claro que os investidores permanecem incertos enquanto processam os efeitos da invasão russa. O petróleo russo ainda está sendo cotado com um enorme desconto de US$ 26 em relação ao Brent.

E analistas acreditam que a direção da viagem foi definida. Giovanni Staunovo, analista do UBS, espera que o petróleo seja negociado a US$ 125 por barril até o final de junho. De sua parte, Tonhaugen, da Rystad Energy, acha que os preços ainda podem quebrar recordes à medida que o conflito se desenrolar.

“Este é o silêncio antes da tempestade”, disse ele.

*CNN