Ex-presidente de partido rival do PT declara apoio a Haddad: “Nunca pensei em votar neles, mas agora estamos em uma situação absolutamente diferente”

Ex-presidente de partido rival do PT declara apoio a Haddad: "Nunca pensei em votar neles, mas agora estamos em uma situação absolutamente diferente”

Foto: Reprodução

O ex-governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSBD), declarou nesta 4ª feira (24.out.2018) seu voto em Fernando Haddad (PT). “Nunca pensei em votar neles, nunca quis votar neles mais. [Mas] agora, estamos em uma situação absolutamente diferente”, disse. “Minha conclusão é que não estou disposto a pagar para ver”, afirmou em relação a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL).

Goldman presidiu o PSDB em 2017, após o afastamento de Aécio Neves motivado pelo escândalo da JBS. Ele governou São Paulo em 2010, após José Serra renunciar ao cargo para à Presidência da República.

Goldman afirmou que pedirá desculpas e perdão a Deus por seu voto no PT, mas optou por mudar seu voto após ouvir discurso de Bolsonaro, em São Paulo, afirmando que seus opositores poderiam ser presos. Na ocasião, Bolsonaro afirmou que iria “varrer do mapa esses bandidos vermelhos” e afirmou que eles precisarão “ir para fora” ou “para a cadeia”.

“Uma linguagem absurda, que não responde à lei brasileira, à democracia brasileira, à Constituição, a nada”, afirmou.

O tucano disse que acredita na força das instituições brasileiras, mas afirmou que, caso o militar seja eleito, ele apresentará “pontos de retrocessos” para o país.

O ex-governador paulista disse que sempre se opôs ao PT e trabalhou pela criação da CPI do Mensalão. A viabilidade eleitoral de Bolsonaro também foi creditada ao PT pelo tucano. “Essa direita que saiu do armário de forma violenta, aquela que baba, que morte, que quer causar mal às pessoas, estava no armário e saiu por glória, honra e trabalho do PT.” 

Fonte Poder 360