Atriz afirma que Marcius Melhen pediu sexo oral após contrato com emissora de TV, diz revista

Atriz afirma que Marcius Melhen pediu sexo oral após contrato com emissora de TV, diz revista

Em reportagem publicada pela Revista Piauí sobre os supostos casos de assédio sexual envolvendo Marcius Melhem e atrizes, subordinadas a ele  no núcleo de humor da Globo, nesta segunda-feira (14), uma das vítimas afirma que o ator e diretor pediu para que ela lhe fizesse sexo oral como forma de agradecimento por ter sido contratada por ele.

Após ficar proibida por 172 dias, isto é, desde o dia 12 de agosto de 2021, acusações vieram à tona. A decisão havia sido tomada pela juíza Tula Corrêa de Mello, da 20ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, a pedido da defesa de Melhem por suposta violação do sigilo do processo judicial. Em 31 de janeiro, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes derrubou a medida, considerando que a censura prévia à imprensa viola a Constituição.

Em dezembro de 2020, a Revista Piauí  expôs o caso envolvendo a atriz Dani Calabresa, que, afinal, não era a única pessoa a relatar esse tipo de violência por parte do humorista.

Todas as mulheres depuseram à promotora Gabriela Manssur, coordenadora da Ouvidoria Nacional do Ministério Público, seja em vídeo ou texto. Suas identidades estão sob sigilo.

Segundo a investigação da revista, Melhem recebia atrizes no flat alugado pela emissora para funcionar como redação do departamento de humor de cuecas, com as calças abaixadas ou sem calças. Umas das vítimas afirma que ele a chamava de “piranha” e outra conta que o humorista lhe dizia que merecia receber um boquete por tê-la contratado para a Globo. Há denúncias diversas. A reportagem, que esteve proibida e foi publicada após decisão do STF, afirma conta que Melhem propunha sexo para uma colega, pegava a mão das mulheres e a colocava em seu pênis, e tecia comentários impróprios com atrizes, do tipo: “Você faz parte das minhas fantasias sexuais” ou “Como você está gostosa com essa roupa”.

O episódio é mais um em meio às denúncias apresentadas pelas oito mulheres que afirmam ser vítimas de Marcius Melhem. De acordo com elas, entre 2010 e 2019, o humorista teve comportamentos impróprios e inadequados em diversas ocasiões, nos mais variados locais, entre eles, os Estúdios Globo, a casa onde trabalhavam os redatores dos programas de humor da emissora, e o bar Vizinha 123, em Botafogo, onde testemunhas sustentam que a atriz Dani Calabresa foi assediada e também o flat que a emissora alugava para reuniões do elenco.

No último depoimento que deu à Delegacia de Atendimento à Mulher, Melhem nega as acusações. Ele externa que não tem compulsão sexual, se declara católico e devoto de Nossa Senhora de Fátima, garante que sempre respeitou as mulheres com as quais trabalhou e nunca usou seu poder e influência em troca de sexo ou boicotou a carreira artística de quem quer que seja.

Fonte: Metrópoles