“Está mais do que na hora dos blocos afro serem reconhecidos”, diz Margareth Menezes sobre tema do Carnaval de Salvador

 

Foto:Reprodução

“Essa história a ser contada é muito importante, porque traz o protagonismo também para os blocos afros. Está mais do que na hora dos blocos afros, dos cantores e músicos serem também reconhecidos por tanta colaboração e contribuição. Foi o que disse a ministra da Cultura, Margareth Menezes sobre o tema “Salvador Capital Afro”, neste Carnaval, que tem o objetivo de promover a cultura afro-brasileira na folia soteropolitana em 2024.

A declaração foi dada em entrevista ao Bahia Notícias, nesta sexta-feira (9). A cantora, agora integrante do governo de Luís Inácio Lula da Silva (PT), contou que não participava do Carnaval desde a pandemia e que considera a festa fundamental para a cultura. “Para mim, o Carnaval sempre foi um ponto importante na minha carreira. É um ponto crucial para o Brasil, para a música, para a cultura e para a nossa Bahia. Então, eu sou da geração que, dentro do Carnaval, conseguiu expandir o trabalho. Assim, para mim, está sendo um momento bem bacana, bem especial”, contou a ministra.

A titular da pasta da Cultura do governo Lula, ainda destacou a importância do reconhecimento de blocos afro, sobretudo o Ilê Aiyê, Muzenza e Olodum. “Eu acho que essa é a questão da gente poder, hoje, estar contemplando 50 anos do Ilê Aiyê e procurando saber também a história do Ilê, porque tudo isso foi construído com muita luta. Com muita resistência. O Ilê trouxe essa atitude de luta contra o racismo pra rua, pro Carnaval. Aproveitou o Carnaval pra dar esse grande grito, né, e influenciou também todos os outros movimentos que vieram. Todos os outros blocos afros. […] Então acho que esse momento é muito importante  e espero que a gente não retroaja nisso. Que a gente não volte atrás”, afirmou Margareth Menezes.



Veja mais notícias no blogdovalente.com.br e siga o Blog no Google Notícia