Entregador brasileiro morre atropelado na Irlanda; noiva suspeita de ataque

Entregador de um aplicativo de delivery em Dublin, na Irlanda, o carioca Thiago Cortes, de 28 anos, foi atropelado enquanto trabalhava, na noite da última segunda-feira (31), e morreu na quarta-feira (2) devido aos ferimentos.

À polícia local, testemunhas disseram que o motorista e os ocupantes do veículo fugiram sem prestar socorro e, até agora, ninguém foi preso. Thiago fazia as entregas usando uma bicicleta. Ele foi socorrido e levado a um hospital, mas não resistiu.

De acordo com a imprensa local, os relatos são de que quatro pessoas estavam no veículo. Além disso, a polícia já teria identificado o motorista, que foi descrito como um jovem com histórico de cometer pequenos delitos na região.

Há uma suspeita de que o grupo estivesse em fuga após ter cometido algum crime, mas à CNN, a noiva de Thiago, a brasileira Teresa Oliveira, disse acreditar que o atropelamento possa ter sido proposital.

“Particularmente, acho que pode ter sido de propósito, sim. Aqui, na Irlanda, tem um histórico de um pequeno grupo de pessoas, que, com certeza não representa a população irlandesa, mas que atacam os entregadores de delivery desse aplicativo”, relatou ela. “Geralmente os entregadores desse aplicativo estão uniformizados, então é fácil de reconhecer, e a grande maioria deles é brasileiro”, acrescentou.

Teresa frisou que essa não é necessariamente a linha de investigação da polícia, mas que algo que ela suspeita.

“Para mim, pode ser que seja, sim. Ainda mais porque o local onde ele foi atropelado é bem deserto naquele horário e ele estava uniformizado, com a mochila do aplicativo, que é fluorescente e fácil de ser vista”, pontuou. “Então, para mim, não tem como eles não terem visto ele e ter sido um acidente”, concluiu.

A jovem ainda agradeceu pelo apoio e disse que tem recebido a solidariedade de brasileiros e também de irlandeses. Na quarta-feira (2), brasileiros e moradores fizeram uma vígilia por Thiago e pediram por justiça pela morte dele.

À CNN, a Embaixada em Dublin disse estar em contato com a família para prestar assistência. O caso segue em investigação.

Fonte: CNN