Médicos e enfermeiros são alvos de ao menos 79 denúncias por fake news e ‘curas milagrosas’ da Covid-19

Médicos e enfermeiros foram alvo de pelo menos 79 denúncias por divulgação de fake news ou curas milagrosas durante a pandemia do novo coronavírus. Os dados foram levantados pelo G1 e publicados em reportagem neste domingo (28).

De acordo a publicação, em 40 casos, foram abertas sindicâncias para apurar a denúncia; em seis, já há processos éticos. Os dados foram compilados através de contato os conselhos regionais de medicina e enfermagem do país, de cada um dos estados e do Distrito Federal.

Das 79 denúncias, 59 foram registradas pelos conselhos regionais de medicina e 20 pelos de enfermagem, revela a reportagem. Parte das denúncias recebidas pelos conselhos regionais gerou interdição temporária das atividades profissionais, como no caso do médico Joaquim Rocha Pereira.

Apesar dos números revelados pelo levantamento, o G1 identificou pelo menos dois médicos que estão em situação “regular”, segundo o site do Conselho Federal de Medicina, e gravam vídeos com informações falsas, sem qualquer embasamento científico e alcançam milhares de visualizações.

Além disso, também circulam nas redes sociais áudios, vídeos e mensagens que apenas usam os nomes de profissionais de saúde. Os profissionais, porém, são vítimas, já que não produziram o conteúdo e só tomaram conhecimento após a viralização do material. O Conselho Regional de Medicina de Goiás, por exemplo, informou que foi procurado no fim de março por uma médica que “teve o nome indevidamente vinculado a um áudio falso veiculado em grupos de WhatsApp com informações incorretas sobre a pandemia”.