‘Não estou preparada para ser presa e não vou ser’, diz deputada Flordelis

A deputada federal Flordelis dos Santos deu a primeira entrevista após ser denunciada como mandato do assassinato do próprio marido, o pastor Anderson do Carmo. Ao jornalista Roberto Cabrini, ela diz que esse é o pior momento da vida dela. A deputada só não está presa por possuir foro privilegiado e pode ser cassada. “Não estou preparada para ser presa e não vou ser. Sou inocente e tenho certeza que minha inocência será provada nos próximos dias”, declarou.

Ela negou que tenha adotado Anderson quando os dois se conheceram, quando ele tinha 14 anos. Também negou que Anderson e a filha biológica Simone foram namorados. “Eu amo meu marido até hoje. Ele não controlava a minha vida. Ele não fazia isso. Eu não matei. Eu não fiz isso que estão me acusando. Não é real. Não é verdade. É uma injustiça”, afirmou.

Flordelis também declarou que lembra de poucas coisas do dia do assassinato. “Eu achava que teria sido roubo. Eu estava sedada. Eu com certeza na morte do meu marido eu devo ter chorado muito. Muita coisa fugiu da minha mente por causa da sedação. Eu não sabia da quantidade de tiros. Eu não sabia. Quando eu desci, meu filho falou que já tinham levado ele para o hospital. Eu estava muito distante, até eu chegar… aquela gritaria toda, aquele alvoroço todo, eu no terceiro andar… até eu chegar… A minha chegada foi no momento que eles já tinham socorrido o meu marido”, contou.

Flordelis negou ainda que tenha mandado matar Anderson do Carmo, pois não poderia se separar, conforme uma das mensagens pegas em seu celular: “Isso não existe. Não existe ‘escandalizar o nome de Deus’. se eu tivesse que me separar, eu me separaria”. Eu jamais chamaria meu marido de traste. Essa mensagem não foi escrita por mim. Não sei. Eu quero que a Justiça descubra quem escreveu. Meu celular é tipo um celular comunitário em casa. Todo mundo tem acesso ao meu celular. Eu preciso saber quem matou meu marido. Eu não sei. Se eu soubesse, eu falaria aqui agora. Quem matou meu marido está desgraçando com minha vida. Eu não estou escondendo nada”.

A reportagem dez uma reconstituição do crime ocorrido no dia 16 de junho de 2019. “Eu estava aqui (aponta ela numa sala) e ouvi seis tiros. Eu só ouvi seis (a investigação diz que foram 30). A minha preocupação… Nem imaginava que fosse algo com alguém dentro da minha casa”. Flordelis ainda negou que tenha dado dinheiro para a compra da arma utilizada no homicídio: “A polícia está falando tantas inverdades”. A entrevista também abordou o sumiço de mais de R$ 6 milhões da conta do Ministério Flordelis, nome de suas igrejas. “Esse dinheiro não entrou na conta da igreja. E eu também quero saber onde ele está. É uma pista importante para esse crime”, ela diz. Sobre os filhos estarem presos, Flordelis diz: “Eu não tenho que estar presa. Eu não matei meu marido. nem mandei matar. Por que me prender? Todo mundo dentro de casa e fora de casa sabia do valor que meu marido tinha para mim”. afirma: “Só quero que o Ministério Público venha e me diga o porquê, o motivo para eu matar o meu marido. Eu reencontrarei meu marido no céu, com certeza”.