Operação Faroeste: MPF apresenta nova denúncia contra desembargadora e filhos

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou na noite de sábado (2) uma nova denúncia contra a desembargadora do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), Lígia Maria Ramos Cunha, seus filhos, Arthur e Rui Barata, e contra outros três advogados. Todos eles devem responder por organização criminosa. A denúncia já é a sexta apresentada ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Todas fazem parte da Operação Faroeste, que investiga a venda de sentenças e grilagem de terras no Oeste baiano.

Segundo o MPF, a nova denúncia aponta a suspeita de que os investigados tenham recebido R$ 950 mil em vantagens indevidas no esquema de venda de sentenças, que incluiu decisões da desembargadora Lígia Cunha em quatro processos, e em três deles, a magistrada, que está presa preventivamente desde o dia 14 de dezembro, era a relatora.

Na denúncia, a subprocuradora-geral da República, Lindôra Maria Araújo, detalhou a participação de cada um dos supostos integrantes do esquema com base em provas obtidas durante as investigações preliminares. Parte das provas tiveram como base documentos e informações entregues pelo advogado Júlio César Cavalcanti Ferreira, que fechou acordo de delação premiada com o MPF.

Ainda segundo a denúncia, o delator detalhou aos investigadores como funcionava o esquema, que segundo ele, começou em agosto de 2015, com a promoção de Lígia Ramos para o cargo de desembargadora do TJ-BA. O grupo persistiu com a atuação criminosa até dezembro de 2020, mesmo com o avanço das fases da Operação Faroeste.

Fonte: Bahia.Ba