Ex-presidente do Paraguai é alvo de operação da Lava Jato

                                                                                                                                                      Foto: Wikimedia Commons

 

O ex-presidente paraguaio Horacio Cartes é alvo nesta terça-feira de mandado de prisão preventiva em desdobramento da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro. Ele é suspeito de ter ocultado seu patrimônio e ter ajudado na fuga de Dario Messer, considerado o “doleiro dos doleiros” e preso em julho deste ano, após meses foragido.

A decisão é do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, que expediu, no total, 16 mandados de prisão preventiva e três temporárias, além de 18 mandados de busca e apreensão. As ações estão sendo cumpridas no Rio, em Búzios, em São Paulo e em Ponta Porã (MS), na fronteira com o Paraguai.

Cartes terá o nome incluído na difusão vermelha da Interpol, que implica poder ser preso por qualquer força policial do país em que esteja. Outro alvo é o doleiro Najun Turner, que há foi preso em São Paulo.

O ex-presidente é amigo da família Messer, a quem chamava de “irmão de alma”. O ex-presidente era próximo do pai do doleiro, Mordko Messer, que o ajudou na década de 1990 quando esteve na mira da Justiça por evasão de divisas.

A operação foi batizada de Patrón e é um desdobramento da Câmbio, Desligo. Em espanhol, a palavra significa “patrão” e é o termo reverencial que Messer se referia a Cartes.

*Bahia.Ba