Tinga nega participação no pronunciamento de Bolsonaro

Conhecido pela atuação em pautas sociais, como o combate ao racismo, o ex-jogador Paulo César Tinga negou, nesta quarta-feira (25), participação no pronunciamento em rede nacional de Jair Bolsonaro. A Folha de S.Paulo havia informado que Tinga esteve no encontro no Palácio do Planalto momentos antes de o presidente gravar seu discurso, sugerido pela ala ideológica do governo.

A presença de Tinga, que causou estranhamento de pessoas próximas ao ex-jogador, consta na agenda oficial da Presidência da República em compromisso das 14h às 14h35min de terça-feira (24). Também aparecem no encontro o chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, os ministros da Cidadania, Onyx Lorenzoni, do Meio Ambiente, Ricardo Salles, da Secretaria-Geral de Governo, Luiz Eduardo Ramos, além do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) e do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ).

Tinga afirmou que, há duas semanas, recebeu um convite de Onyx, por telefone, para ir a Brasília discutir pautas relacionadas a futebol. A audiência foi marcada para terça-feira.

“Fiquei muito feliz de ter sido chamado para falar sobre aquilo que domino. E o que domino é o futebol. Vivi o futebol 20 anos na prática, a transformação da minha vida veio através do futebol”, disse Tinga em entrevista ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha.

Segundo o ex-jogador, ele foi levado por Onyx para ser apresentado a Bolsonaro após a reunião que durou “a manhã inteira”. “Em instante nenhum foi sequer ventilado que o presidente iria fazer um pronunciamento à nação no período da noite”, assegurou, em nota. Tinga relatou que esteve no gabinete por apenas dois minutos, discutindo “amenidades”:

“Brinquei um pouquinho sobre times e saí fora. Quem sou eu para falar de discurso”.

Tinga também disse que cumprimentou toda a equipe que estava na sala, mas que não soube informar os nomes de todos os presentes. O ex-jogador ainda contou à Rádio Gaúcha que sequer assistiu ao pronunciamento de Bolsonaro que contrariou autoridades de saúde brasileiras e internacionais e motivou o repúdio de políticos.

 

Confira a nota de Tinga

“Estou vindo a público para esclarecer sobre a notícia de que participei de uma reunião em Brasília para colaborar no discurso do presidente Jair Bolsonaro.

Há duas semanas recebi uma ligação do ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, que queria conversar sobre futebol e questões sociais. Nesse mesmo dia, Lorenzoni me convidou a ir a Brasília para ouvir minha opinião sobre o tema. A reunião foi agendada para essa terça-feira, dia 24 de março. Ao término, o ministro me levou até o gabinete da Presidência da República para me apresentar ao presidente Jair Bolsonaro.

Nosso encontro não fazia parte da agenda presidencial, muito menos para tratar de qualquer assunto de caráter oficial. Nos poucos minutos em que estive no gabinete, conversamos apenas sobre amenidades. Em instante nenhum foi sequer ventilado que o presidente iria fazer um pronunciamento à nação no período da noite.

A notícia que liga a minha pessoa ao conteúdo da fala do presidente Jair Bolsonaro não faz nenhum sentido. Lamento que o jornalista que veiculou a matéria não tenha me procurado para checar e/ou confirmar as informações.”