Brasil está pagando um preço caríssimo pelo erro que cometeu, diz Rui sobre Bolsonaro

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou nesta segunda-feira (4) que o Brasil “paga e continuará pagando um preço altíssimo” por ter escolhido Jair Bolsonaro (sem partido) como presidente da República.

Em entrevista à rádio Metrópole, o governador rechaçou a participação do mandatário do país em mais uma manifestação anti-isolamento social e com ataques ao STF (Supremo Tribunal Federal), ao Congresso e, agora, ao ex-ministro Sergio Moro. O ato com viés antidemocrático, realizado no domingo (3), foi marcado por aglomerações de apoiadores bolsonaristas em frente ao Palácio do Planalto.

“Tem determinados erros em nossas vidas que nós pagamos muito caro. E o Brasil está pagando um preço altíssimo e vai pagar ainda um preço muito alto nos próximos dias ou meses pelo erro que cometeu na eleição do presidente da República. Uma pessoa sem as qualidades e pré-requisitos mínimos pra exercer o cargo de presidente e sem nenhum apreço pela democracia, nenhum apreço pela vida humana, nenhum apreço pelo próximo”, declarou Rui Costa.

Ao mencionar a crise do novo coronavírus —que já matou mais de 7 mil pessoas no país—, o governador diz que Bolsonaro conduz o país de forma “desastrosa”.

“Quando você precisaria de alguém equilibrado, com muita serenidade, com muito sentimento de nação pra conduzir esse momento no Brasil. Infelizmente, nós não temos essa pessoa conduzindo o nosso país”, disse.

“São dois vírus que nós temos que enfrentar ao mesmo tempo: o vírus global do coronavírus e o vírus da intolerância, da incapacidade, da brutalidade, da falta de sensibilidade com o ser humano”, afirmou o governador.

‘Temos as Forças Armadas’

Bolsonaro  acompanhou os protestos da rampa do Planalto, de onde acenou para os manifestantes, aglomerados, que gritavam “Fora Maia”, entre outras palavras de ordem. Chamavam atenção no local bandeiras dos Estados Unidos e de Israel.

Ali, Bolsonaro iniciou a transmissão de uma live e disse que não iria mais admitir interferência em seu governo. Também afirmou que as “Forças Armadas” estão com o povo. Ele estava acompanhado da filha, Laura, de 9 anos. Ambos não usavam máscaras.

“Tenho certeza de uma coisa: nós temos o povo ao nosso lado, nós temos as Forças Armadas ao lado do povo, pela lei, pela ordem, pela democracia, e pela liberdade. E o mais importante, temos Deus conosco”, disse.

“Nós queremos uma independência verdadeira dos Três Poderes. Não vamos admitir interferência”, completou o presidente, dias após se queixar diretamente do papel do Supremo Tribunal Federal (STF), especificamente do ministro Alexandre de Moraes, na decisão de barrar liminarmente a nomeação de Alexandre Ramagem para a chefia da Polícia Federal.

*Bahia.Ba