Irresponsabilidade tem limite, afirma Maia ao criticar ‘atraso’ em vacinação no Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta sexta-feira, 8, ao ser questionado sobre o fato de o Brasil ainda não ter iniciado a vacinação contra a Covid-19, que a ‘irresponsabilidade’ tem “limite”. Além disso, Maia disse que ‘felizmente’ o governo assumiu a importância da vacina CoronaVac, produzida por uma empresa chinesa em parceria com o Instituto Butantan.

“Acho que a coragem tem sempre limite, né? E a irresponsabilidade, felizmente, também. Com perdas de vidas. Porque a cada dia de atraso na vacinação, temos mil mortes por dia. […] Foi uma irresponsabilidade grande. Na narrativa continua sendo uma irresponsabilidade grande em relação à saúde dos brasileiros. Mas, felizmente, ontem, no dia em que infelizmente chegamos a 200 mil mortes, o governo resolveu, então, pela primeira vez, assumir a importância da vacina do Butantan, que é a que está pronta, aprovada [ainda não liberada pela Anvisa]”, declarou Maia.

Na quinta, 7, o Ministério da Saúde anunciou ter assinado um contrato com o Butantan, em São Paulo, para receber 46 milhões de doses da CoronaVac até abril e mais 54 milhões de doses até o fim do ano.

O presidente da Câmara voltou a elogiar o trabalho realizado pelo Butantan, criticou o “negacionismo” do governo federal e afirmou que, por isso, é importante uma Câmara dos Deputados independente.

Ainda duranta entrevista a jornalistas, Maia comentou o fato de o país ter atingido 200 mil mortes por coronavírus e a “resistência” do governo Bolsonaro em comprar a CoronaVac, vacina criada pelo laboratório chinês Sinovac e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan.

“Mas, felizmente, ontem, no dia em que infelizmente chegamos a 200 mil mortes, o governo resolveu, então, pela primeira vez, assumir a importância da vacina do Butantan, que é a que está pronta, aprovada [ainda não liberada pela Anvisa]”, disse.

Fonte: A Tarde