Vereadora Fátima fala da importância da participação política da mulher em Santo Antônio de Jesus

A conquista por uma atuação mais participativa da mulher na sociedade é uma luta que há décadas se faz em um processo diário. Há uma busca por um espaço onde não limite a mulher apenas às atividades domésticas. Felizmente ocupar cenários até então destinados aos homens é um fato cada vez mais comum, como é o caso do setor da política. No Brasil temos um exemplo muito claro, o da presidente Dilma Rousseff.

Contudo, no cenário politico de Santo Antônio de Jesus onde a câmera é composta por 13 homens, a participação, ainda tímida, da mulher é representada pela vereadora Fátima. Em entrevista à Rádio Andaiá, a vereadora enfatizou a importância da participação das mulheres na política para reforçar a luta pelos seus direitos. “A mulher brasileira em si precisa estar mais participativa na política, todas as questões que hoje são abordadas no tocante aos direitos da mulher, a preservação até da vida da mulher, são discutidas de forma política. Não podemos nos colocar na condição de não participar desse momento político porque muitos dessas discussões, muito daquilo que é necessário para que possamos ter um projeto de lei que ampare a mulher, passa pelas discussões politicas. Eu acho que a gente tem que estar mais engajadas nesse projeto”, destacou.

Um projeto defendido pela vereadora Fátima é a implantação da DEAM (Delegacia de Atendimento Especializado à Mulher). Segundo a vereadora, em termos políticos é necessário um “contexto mais forte” para a execução desse projeto diante de algumas dificuldades, entre elas a falta de efetivo policial. Porém, de forma positiva a vereadora responde: “mas não é por isso que nós não vamos lutar, não vamos buscar. Se outros conseguiram, nós também iremos conseguir, vamos conseguir”. Disse.

No contexto das eleições, além da vereadora, a participação feminina se apresenta por meio de Dalva Mercês.  Mesmo com este baixo número, Fátima acredita que isso pode mudar próximas eleições. “Eu acredito que nessas próximas legislaturas nós tenhamos um papel mais ativo da mulher no tocante as seguranças das propostas que são necessárias para a construção de uma cidadania digna não só para as mulheres, mas para todos”, pontuou.

 

(Viviane Silva/Blog do Valente)