SAJ: sem plantonistas, corpos que seriam necropsiados em SAJ estão sendo encaminhados para o DPT de Itaparica

Dr. Lino Oliveira, coordenador do DPT, disse que 4 legistas assumem o quadro de médicos no órgão, sendo que um deles está de férias e o outro seria o substituto na Ilha de Itaparica

corpos que seriam necropsiados em SAJ estão sendo encaminhados para o DPT de Itaparica

O Blog do Valente recebeu a informação de que o DPT em Santo Antônio de Jesus está sem médico legista de plantão. A informações foi confirmada por familiares de um jovem que foi  morto a tiros na feira livre nesta sexta-feira. Em contato com a Andaiá FM na manhã deste sábado (08), parentes da vítima disseram que precisaram ir até o IML na Ilha de Itaparica acompanhar o corpo do rapaz, para onde foi encaminhado.

“A família já está enlutada, triste com toda esta situação e tem que se deslocar até outra cidade para poder liberar o corpo”, disse.

As informações são de que o médico responsável pelo DPT em Santo Antônio de Jesus está em gozo de férias e o substituto estaria de folga.

“Isso é uma desorganização e falta de respeito com a família. É um órgão público, importante para a cidade, que está aí fechado porque os legistas estão de folga. Um absurdo essa situação toda, a família já está passando por esta dor  de ter que reconhecer o corpo e todos os outros protocolos e ter que viajar. É uma falta de respeito e desorganização”, completa.

Ao Blog do Valente o Dr. Lino Oliveira, coordenador do DPT, disse que 4 legistas assumem o quadro de médicos no órgão, sendo que um deles está de férias e o outro seria o substituto na Ilha de Itaparica.

“Estamos com um quadro de médico justo. E quando um deles está de férias, o médico de Itaparica o substitui, é o que fecha a lacuna. Não podemos impedir que um médico tire férias e o corpo teve  que ser necropsiado em Itaparica. Para nós é um procedimento normal, mas para a sociedade, em seu entendimento é que não pode faltar médico no DPT e que o corpo deve chegar e ser liberado, e não é desta forma”, disse.

Conforme Lino Oliveira, três corpos estiveram no DPT de Santo Antônio de Jesus e um deles foi transferido para a Ilha por se tratar de morte violenta o que acarretaria em um trabalho mais minucioso.

“Infelizmente o corpo demorou para ser liberado.  Ele foi alvejado por cerca de seis disparos e tivemos que fazer um trabalho mais minucioso para retirada dos projéteis e tudo  isso demanda um certo tempo. As pessoas tem que entender que  médico também tira férias e não temos um quadro suficiente. São mais de 14 anos sem um concurso público e infelizmente estamos trabalhando com o que temos”, explicou Lino Oliveira.